quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Fatos e Fotos Antigas


PARTE XV


Voltamos com algumas historinhas enviadas por J. J. Araújo, desta vez tendo como protagonista o Sargento ARMINDO RODRIGUES MOREIRA, que foi treinador do Paladino e do Aliança.

jjgaucho23@hotmail.com

01 - SARGENTO ARMINDO



Foi meu colega de Quartel, o Sargento ARMINDO, que chegou na terra, depois de um exame de seleção nacional e ainda cursar toda A ESCOLA DE FORMAÇÃO DE SARGENTOS, no que logrou aprovação.
Se bem me lembro chegou com ele o Sargento JARDIM.
Quando chegam da ESA são incorporados e normalmente designados para uma Subunidade, onde desempenham as funções de Instrutores de Pelotão.Tal aconteceu com JARDIM, no Primeiro Esquadrão.
ARMIDO foi designado para o Esquadrão de Comando e Serviços.
Na vida civil deu um peitaço e conseguiu ser treinador de Aliança e Paladino. Assim sendo arvorou-se a treinador das equipes de esportes do Esqudrão. Passou a exercer essa função e, como não ministrava instrução, vivia dando sopa em volta.
O Comandante do Sargento JARDIM, se eminhocava com a situação.
Um dia, não se aguentando, ao sair do Rancho topou com o Sargento ARMIDO. O Capitão disse:
- Se tu fosses do meu Esquadrão, eu te daria um jeito. O Exército pagando alguém para desempenhar tão somente funções de treinador?
ARMINDO que criara uma versão de que fosse quase analfabeto respondeu prontamente,
- Não tenho capacidade para dar instrução.
Sou apenas o treinador porque meu Comandante assim determinou e porque “não me dou bem com as pretinhas”. (letras).

02 - VIVARACHO





Meu colega que se fez de bobo, como se fosse ignorante e quase analfabeto. Era, entretanto dos mais vivos da espécie humana. Como se sabe condições para ser incorporado às Forças Armadas, são, como não poderia deixar de ser, higidez física e não ser deficiente. Foi incorporado e, de cara, lotado no Serviço de Saúde um irmão de nosso personagem Passava meio incógnito. Lá pelas tantas começou a aparecer mais, principalmente quando foi promovido a Cabo.
Ai constatou-se que manquitolava, tinha uma perna mais curta que a outra. Alguém, surpreso, perguntou:
- Mas com essa deficiência física, poderia ter sido incorporado.?
Um gaiato respondeu: - Sendo irmão de quem é, claro que pode.E isso que o mano não se dá bem com ”as pretinha”.

03 - A ARGUCIA DO TREINADOR

O Sargento ARMINDO, quando aqui serviu fazia na sua Subunidade, pretensamente, todas as atividades de sua graduação e principalmente, a de treinador das equipes de esportes do Esquadrão de Comando e Serviços. Modalidade muito praticada, então, era uma forma adaptada de futebol americano. Aliás, o craque que vi jogar esse esporte e bem - como todos que praticava - foi o Penicilina que inventou um balãozinho. Se alguém quisesse tomar-lhe a bola, jogava-a por cima da cabeça do oponente e a apanhava no outro lado.Era Cabo do II Esquadrão de Fuzileiros. Mas na equipe do Sargento Armindo, os jogadores não eram contidos em determinada partida.

Quando os agarravam, saiam como se tivessem sido ensebados. Pois a pista estava por aí. Antes levara seus pupilos ao Rancho, sob a desculpa de que iriam tomar um suco.

Em lá estando uns besuntavam os ouros com banha suína e assim se tornaram escorregadiços como se fosse muçum. Descoberta a esperteza já era tarde.


04 - QUASE O EURICO LARA


Um dos nossos era o Sargento ECHEGARAY, oriundo de Uruguaia, terra do famoso arqueiro Lara do Grêmio, no Campeonato Farroupilha. Também pensou em ser goleiro.
Quando os Sargentos ARMINDO e JUAREZ descobriram incentivaram-no pondo mãos na massa para prepará-lo. Juarez chutava e o exigia, também com as mãos, aos gritos de VAI NESSA, TE ATIRA, ESTEJA ATENTO, FORÇA PULE. NÃO DEIXA ESCAPAR!..

ARMINDO atrás da goleira orientava-o e exigia dele, um esforço sobre-humano. Terminava os treinos todo ralado nos braços e joelhos. Mesmo com tanta judiaria nunca conseguiu destacar-se como era sua ambição. Apenas a quebrar um dedo de uma das mãos.


05 - COLEGA

Havia no nosso esquadrão um militar daqueles que já são conhecidos por Cabo Véio, por serem muitos anos de serviço, na mesma graduação. Como Cabo era dado a competir em provas de fundo. Em sendo promovido o Sargento ARMINDO, parou de chamá-lo por seu nome guerra e passou a tratá-lo por COLEGA.

COLEGA pra cá, COLEGA pra lá, ARMINDO lembrou-se ser ele corredor de 5 mil metros e incentivou-o a mudar de categoria a correr 10 mil, porque não haveria quem o superasse.

O Sargento WALDOMIRO ignorando a gozação treinou com mais afinco, trocou efetivamente a distancia a ser percorrida e nunca mais foi vencido no âmbito da 1ª Divisão de Cavalaria, que abrangia todas as Unidades da região Noroeste do Estado. Conta o Sargento Juarez que, tendo o COLEGA, ascendido na vida militar também o fez na civil.

Lá pelas tantas se tornou Cartola de um clube de futebol. Esse clube, foi tendo sucesso nas competições e amealhando títulos e conquistando troféus.

Certo dia Juarez, a convite , foi conhecer a sede social.

- Aqui é a sala de ginástica. Acolá os vestiários. Continuaram passeando pelas dependências. Ao chegarem na última sala onde estavam os troféus disse o COLEGA ao Sargento Juarez. – Isto tudo é do nosso patronato!


6 - CABO BUTINGER

No mesmo Esquadrão havia um cabo por nome BUTINGER que também era dos destaques divisionários em corridas de fundo. Residia no Km 3 ou Km 5 e para aprimorar o preparo físico, consta que vinha correndo de casa até o Quartel, sempre chegando cedo.

Num dia, porém, tendo se apresentado atrasado foi perguntado por seu Comandante qual o motivo do atraso. Disse ao oficial:
- Tive uma corredeira. O Oficial não estando entendendo o linguajar gaúcho, perguntou: Teve o que? Corredeira? O que é isso?
O Cabo BITTINGER arranjou uma maneira muito própria para esclarecer o contratempo Pensou e lascou:

- Pois óia Capitão. Se não “garro” o mato teria “chujado” tudo o meu calção


07 - CAPATAZ DA INVERNADA ARTÍSTICA




Nosso amigo que se jactava “não se dar bem as pretinha” na realidade se fazia de bobo prá passar bem.Ocorre que, não sei se, por circunstancias da vida militar ou não, apareceu por Porto Alegre.

Na ocasião o serviço de taxi-lotação fora criado por SADI SCHWERTZ, conhecido lateral esquerdo do Internacional e da Seleção Brasileira, quando no exercício das funções de vereador.
ARMINDO que não era tolo adquiriu, logo, uma camionete que fazia a linha CENTRO-PUC-CENTRO.
Como se sabe muito solicitadas, porque serviam aos alunos da Universidade e do Hospital da PUC
Como era originário de São Luiz Gonzaga e se criara nas lides campeiras, aquerenciou-se ao Grêmio Geraldo Sant’Ana, mais particularmente no CTG Glaucus Saraiva e na Invernada Artística, elevando-a de categoria e sendo um dos mais conhecidos nas lides gauchescas de Porto Alegre com o nome de TIO MOREIRA.


08 - ZAGUEIRO CORREDOR


Quando o Regimento iniciou a seleção de corredores para os 800 metros , nas OLIMPIADAS MILITARES `,`foi designado um corredor por Esquadrão e LUIZ CARLOS MELO, zagueiro central do Juventus, foi escolhido para representar o 1º; Encontrava-se em 4º lugar quando o 1º colocado caiu , e o segundo e terceiro foram tropeçando, caindo. Venceu tornando-se o representante do Regimento nas Olimpíadas . BOTA SORTE E INEDITISMO NISSO!
Em Santo Ângelo , já nas OLIMPIADAS , o Sargento Jayme orientou-o, antes de iniciar à corrida, que tentasse manter-se entre os 3 primeiros para que na ultima volta tentasse ultrapassá-los ;
Quando o sinal (um tiro) foi dado, o Sargento gritou: - AGORA LUIZ CARLOS
Ultrapassou os dois primeiros e venceu a corrida.
Esses fatos marcantes permanecem na memória da gente, para o resto de nossa vida!
(Luiz Carlos Melo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário