quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

GRÊMIO ESPORTIVO SEPÉ TIARAJÚ

Grêmio Esportivo Sepé Tiarajú.




O Grêmio Esportivo Sepé Tiaraju, foi fundado em 23 de setembro de 1957. Cores azul e branco.
Foi fundado por um grupo de operários que não tinham chances de treinar nos clubes considerados da elite (Aliança, Paladino e Juventus). Sempre foi um clube pobre e dirigido por gente simples.
Foi vice-campeão em 58 e 59 e ganhou o campeonato em 1960.
Com o tempo, com as dificuldades em manter o clube, pois era apenas meia dúzia de abnegados que faziam isso, fundiu com o Paladino, como saída honrosa. O Paladino ficou com todos os troféus do Sepé Tiaraju
O fato mais triste na sua história foi logo após ter ganho o campeonato citadino quando o presidente do clube, incomodado com algumas críticas, liberou todos os jogadores, dando passe livre. O Sepé não tinha nem banco para disputar o regional com os demais campeões. Foi um fiasco.

 

Colaboração de Raul Meneghini e Alceu Medeiros e João Jayme Araújo.

As fotos abaixo  foi colaboração de Dorvalino Oliveira.

Fotos acima: Reunião de fundação do  GE Sepé Tiarajú.


 GE Sepé Tiarajú e torcida feminina uniformizada

 GE Sepé Tiarajú

 GE Sepé Tiarajú

Desfile de & de Stembro


Atletas do Sepé Tiatajú

URUGUAY F.C.

URUGUAY FUTEBOL CLUBE



Fundado em novembro de 1925, por um grupo de rapazes que além do futebol promovia encontros sociais. Foi o primeiro clube de futebol de Santa Rosa. Usava camisa azul e no lado esquerdo como escudo, a bandeira da República Oriental do Uruguay em homenagem aquele país vizinho.
Os jogos eram realizados no estádio onde hoje está o Cemitério Municipal de Santa Rosa, na Avenida Borges de Medeiros próximo ao trevo da ERS 344.
Na época, Santa Rosa ainda era distrito de Santo Ângelo, pois, conseguiu sua autonomia politico-administrativa em 1931.

Na foto de 1925 - uniforme da época.

A História do Leque na Vila 14 de Julho

Leque veio para Vila 14 de Julho (Santa Rosa) para jogar futebol. Era a década de 30 (??). O time era o Uruguai Futebol Clube, cujo uniforme era constituído de camiseta vermelha e branca combinando calções brancos. Jogava no time com a camisa nº 5, na posição de “Center-Half”. Além de jogar futebol - provavelmente na época não era profissional, Leque vendia bilhetes de loteria. Morava, então, na Vila Agrícola, que era separada da Vila 14 de Julho pelo caudaloso Rio Pessegueiro.

Contam que após os jogos do Uruguai nos campos de chão batido (saibro) e como não havia vestiários, os jogadores banhavam-se nas águas do rio Pessegueiro. O campo de futebol na época onde os jogos eram realizados localizava-se onde hoje se encontra o Cemitério Municipal de Santa Rosa. Muitos dos jogos eram contra rivais argentinos, principalmente das cidades de San Javier e Oberá.

No cotidiano (dia a dia), o jogador e vendedor de bilhetes - LEQUE - vinha – pela manhã - da Vila Agrícola, onde morava, andando até o café/bar do Sr. Jacob Mander, localizado junto à praça da Independência. Lá, costumava fazer o desjejum comendo até 12 (doze) ovos crus. E os comia utilizando a seguinte técnica: “bicava” em uma das extremidades do ovo fazendo um pequeno furo, através do qual sorvia (chupava) o conteúdo. Após este ritual saia a vender os bilhetes de loteria na Vila 14 de Julho.

Na época, para se alcançar a Vila Agrícola desde a Vila 14 de julho, o trajeto era feito descendo-se pela Rua Borges de Medeiros, atravessando-se um pontilhão de madeira sobre o rio Pessegueiro e subindo-se até a Vila Agrícola. Posteriormente, em virtude da construção do Cemitério Municipal da cidade, o trânsito foi desviado através de um trecho novo de contorno, que ainda hoje existe.

ADENDO – Como andasse no inverno e verão de camisas de mangas curtas, atribuía-se à falta de frio, por, no deslocamento para Vila 14 de julho, tomar banho nu, no Pessegueiro

Consta que LEQUE, o único jogador preto na foto, seria jogador do Internacional de Santa Maria.

Como o URUGUAY não estivesse colhendo as vitórias que seus dirigentes almejavam, - por intermédio do Sr. JOÃO MACLUF, pretenso Presidente, - contrataram-no e, esta seria, a primeira contratação feita na historia do futebol de Santa Rosa.

Colaboração: Waldemar Zenni e João Jayme Araújo.

Crédito da foto: Jornal Noroeste de 28/09/2001, p 4


Contos do Jayme:

  • Depois do Paladino já em atividade, volta à terra um admirador do Uruguai, Hilário Zenni. Com o auxilio de Noly Joner, refundam o URUGUAI. . Hilário e Noly foram políticos destacados, pelo PTB de então. Hilário no poder público municipal, tratado pejorativamente por ‘ prefeitinho” e Noly fiscal de ensino e, depois, deputado estadual., por mais de uma legislatura. Iniciam-se as partidas entre os dois times Após determinado tempo, prevaleceu o Paladino, que trouxe para a sua grei, atletas que tiveram destaque no Uruguai, dentre eles, Noly e Hilário.

  • Noly Joner, grande pessoa, sobre a qual já me referi, também tinha uma grande figura na pessoa de sua noiva, Temis Cardoso. Essa, para alegrar o seu noivo, por ocasião da tentativa de ressurgimento do Uruguai, fez para ele uma boina, de linha, com as cores azul e branco. Como o Uruguai, assim como ressurgiu, teve uma vida efêmera. Não restou à noiva outra alternativa a não ser confeccionar nova boina, vermelha e branca, já que seu noivo, mudou-se de armas e bagagens para o Paladino.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

FATOS & FOTOS ANTIGAS DO JUVENTUS III

FATOS & FOTOS ANTIGAS DO JUVENTUS - 3ª PARTE DA SÉRIE

Colaboração de João Jayme Araújo


10 . GRAVAÇÃO

Certa feita o Paladino foi a Palmeira das Missões, jogar com o Ouro Verde. Como o time estivesse na ponta dos cascos, não foi difícil à Rádio Sulina conseguir patrocínio para que o jogo fosse gravado com divulgação para o dia seguinte à chegada em Santa Rosa

Por curiosidade de João Carlos Bircke, tentou-se ouvir a gravação. Qual não foi a nossa surpresa aos descobrirmos que o trabalho era praticamente impossível de se ouvir. Não havia aumento de volume que resolvesse.

A solução: Bircke ouvia a narração quase em “off”, falava ao narrador que então com sua voz forte fez com que a partida fosse ressuscitada. Trabalho que se foi pela madrugada a dentro. Expectativa pela audiência – tal qual a dos vídeos- tapes – era enorme. Graças à curiosidade e o destemor de ambos a gravação foi mandada ao ar, com grande sucesso. O resultado da partida? Deixa pra lá! Hoje que importância tem!

Registro Fotográfico X




9 . CONCURSO

O carnê do campeonato marcava para determinado domingo o clássico Juventus e Paladino.

Coincidentemente na mesma data foram realizadas provas de um concurso para o Banco do Brasil, em Santo Ângelo

Lá foram submeter-se à seleção Nique, do Paladino e Paulinho, Bircke e Jayme do Juventus. A prova terminou pelo meio-dia e se esperava que todos os atletas regressassem no “Dodjão” do Sr. CARLOS DENARDIN, presidente do Paladino. Para impedir ou dificultar a volta dos atletas do Juventus o Dodge já veio lotado de lá, com Lothar e outros para impedir a carona. Os jogadores do Juventus, serviram-se de um táxi cuja conta foi estourar no bolso do presidente ELIBIO FREDRICH. Mas chegaram a tempo.

Registro Fotográfico IX



Festa Aniversário do Clube

8 . PULMANN

Como se pode ver em algumas fotos, fazia parte do Juventus os jogadores PAULINHO, ANTONIO LEUTCHUCK e CARLOS OLIVEIRA. Todos estudavam em Porto Alegre. Quando necessitávamos de um time mais forte, eles eram convocados e vinha rever a terra, os colegas de time e jogarem. Saiam da capital pelo trem, às 19,00 e chegavam na gare local pelas 05h30m. Pela tardinha, depois do jogo retornavam a Porto Alegre, numa viagem, que durava uma noite e o dia seguinte..

Com a chegada do progresso o trajeto passou a ser feia pelo ônibus “Pulmann” da Ouro e Prata, que saia de Porto pela meia noite e aqui chegava ao clarear do dia.

Registro Fotográfico VIII


7 . MENOSPREZO

Havia, no Paladino, em determinada época um terceiro reserva de goleiro, que, às vezes, sofria de episódios de epilepsia. Foi acordada uma partida amistosa, entre este clube e o Juventus Um dos jogadores desse time, com era vizinho e conhecia essa particularidade, disse aos colegas. Hoje não tem ruim. Vamos chutar de qualquer distancia que esse goleiro tem problemas. O Paladino venceu e o arqueiro não foi exigido em e nenhum momento do jogo.

Aprendemos uma lição: sem esforço próprio nada se alcança, mesmo enfrentando adversários com deficiência..

REGISTRO FOTOGRÁFICO VII





6 . EXÉRCITO X BRIGADA

Uma boa parcela de jogadores do JUVENTUS, serviu ao Exército no mesmo ano e no mesmo Esquadrão. Tanto que na equipe dessa subunidade, atletas que eram titulares em seus respectivos clubes, - PALADINO e JUVENTUS, - não figurava no time militar.

A maioria, do Juventus, que era presidido pelo Major da Brigada HELIO CHAVES LOPES, o qual, por vezes enxertava o time dos Oficias do Exército. Comandava o Esquadrão o Capitão JOSÉ EDGAR PEDROSO DE AZAMBUJA, que fora presidente do Paladino.

Nos dias de treinos do Juventus. a gente solicitava ao Capitão, a pedido do Major, que nos permitisse sair mais cedo para podermos treinar no Campo do Pessegueiro.

O Capitão Azambuja respondia: - diga ao seu Presidente que se o futebol atrapalha o Exército, acabe-se com o futebol, mas nos dispensava.

Do quartel até o Pessegueiro atravessava-se a cidade de ponta a ponta. Quando lá chegávamos o treino já estava por terminar, se já não houvesse acabado.

Registro Fotográfico VI


5 . SARGENTO VERSUS CAPITÃES

Era muito grande a rivalidade entre ALIANÇA e PALADINO. Em determinada época jogava pelo Paladino um oficial do Exército, muito bom de bola. Recebeu este a visita de um companheiro de farda, melhor jogador do que ele. Vislumbrou, assim, uma oportunidade de, em uma partida amistosa, com o enxerto de seu amigo, derrotar o Aliança.

O problema maior era conseguir um árbitro que não fosse tendencioso e, sim, imparcial. Optou-se por um Sargento, portanto subalterno dos Oficiais. Seria a desforra. O Oficial visitante, por jogada faltosa, foi admoestado pelo juiz. Mais adiante, envolveu-se em uma briga com um adversário. Ao Sargento não houve outra alternativa, a não ser, expulsar os brigões.. O Aliança vencia a partida e, esta, por razões obvias, não teve prosseguimento.

Registro Fotográfico V



4 . GOLEIROS AVES ou PÁSSAROS

Chegou a Santa Rosa certa feita e foi prestar o serviço militar um cidadão vindo de Porto Alegre. Foi ser goleiro do Juventus e fardava-se completamente de preto. Como era dado a vôos embaixo dos paus recebeu, da torcida adversária, jocosamente, o apelido de CORVO.

Na mesma época foi goleiro do Paladino, outra pessoa vinda de fora e que, a sua vez, vestia um uniforme totalmente branco de acordo com sua cor, pois, era loiro.

A torcida do Juventus, alcunhou-o de POMBINHA

Assim Juventus e Paladino tiveram suas metas defendidas por AVES, sem contar que o goleiro do Aliança tinha o apelido de SABIÁ.

Registro Fotográfico IV

3 . IPIRANGA

Os mais antigos irão lembrar que, além dos clubes mais conhecidos existiu o Ipiranga Futebol Clube, originário do Regimento local e que tinha como Presidente “faz tudo” o Sr. Adão Monteiro, ex-funcionário da Viação Férrea e, depois, dono de loja comercial. Querendo reforçar seu time tentou “contratar” alguns descontentes com a reserva em seus respectivos clubes. Cercada de grande segredo, a reunião, aconteceu à noite. O contrato foi acordado, mas, jamais cumprido. Adicionar imagem

2 . IRMÃOS UNIDOS

Dos irmãos por muito tempo jogaram em times rivais, Paladino e Juventus. Ambos atuaram depois no Paladino, a pedido do pai deles Vicente Zoehler. Quando FRANCISCO JOSÉ BERTA, os contratou, para o Aliança, acordaram pagar a um, com uma moto. A outro, com uma geladeira. Por motivo ignorado a moto não apareceu e ambos ficaram com uma geladeira. Passaram a ser chamados, pejorativamente, por ‘GELADEIRA” por aqueles que não simpatizavam com o Aliança. Foi o início da grande arrancada do clube, cujo cinquentenário do título estadual, comemorou-se no ano passado, no anual ENCONTRO ANUAL DOS SANTAROSENSES em Porto Alegre.,comandado por CARLOS BERTA.e seus “companheiros de mesa”.

1. AVELINO LAVARDA

Exemplo de cidadão, sempre envolvido em todas as frentes nas causas que interessassem da comunidade.

Ligado aos esportes, foi Presidente do Clube Cultural, do Paladino e da Liga Santarosense de Futebol, dentre outras atividades.

Membro da tradicional família Lavarda, desempenhava suas atividades na Loja de Calçados, com competência e sempre cativando a clientela.

Quando chegava para o trabalho, antes, ia a casa de seus país – era só subir uma escada – e vinha de lá, com um chimarrão, lindaço como laranja de amostra.

A maioria das pessoas que por ali passavam, paravam para uma prosa.

O que mais se destacava, e era fruto da cobiça, o mate, servido numa cuia das buena e sorvido a preceito com uma bombona de prata.

O papo fluía solto, mas, daquele chimarrão ninguém provou, a não ser o próprio.

Registro Fotográfio II


Torcida Feminina do Juventus

Registro Fotográfico I


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Segundona 2011

Grupo do Juventus está quase fechado

Falta menos de um mês para o começo dos treinos da equipe do Juventus de Santa Rosa para a disputa da Segundona 2011. Na noite de segunda-feira (20), a diretoria do clube esteve reunida para tratar de detalhes do planejamento da competição. Um novo plano de colaboradores será lançado em breve. Também está previsto um jantar para apresentação dos jogadores, comissão técnica e novo fardamento da equipe.

O grupo de jogadores está praticamente definido. Segundo o diretor financeiro do Juve, Vanderlei Weschenfelder, as contratações foram antecipadas para garantir a qualidade do grupo. "Estamos com todos acertados para vestirem a camisa do Juventus em 2011. Se preciso vamos contratar mais um ou dois jogadores, mas o grupo está praticamente fechado". A apresentação para os primeiros treinos está marcada para o dia 17 de janeiro no estádio Carlo s Denardin. A estreia da equipe de Santa Rosa na Segundona está marcada para o dia 27 de fevereiro.

Confira a lista:

COMISSÃO TÉCNICA: Técnico - Gelson Conte(ex-Panambi), Aux - Jeferson Camara(ex-Três Passos), Prep.Físico - Alexandre Chitolina (Juventus) e Prep. Goleiros - Dion dos Santos(Juventus) GOLEIROS: Wagner(Juventus), Sidnei(Sapucaiense) e Pessegueiro(Juventus). ZAGUEIROS: João Carlos(Juventus), Japa(Juventus),Jesum(Panambi), Carlão(Santo Ângelo) e Tolazi(Juventus). LATERAIS: Teco(Juventus), Tatto(Juventus), Jonatan(Três Passos), Willian(Juventus). VOLANTES: Batata(Ypiranga de Erechim), Serginho(Juventus), Donovan(Ju ventus) e Robson (Juventus). MEIAS: Fabinho(Juventus), Aldair(Iguaçu-PR) e Cristian(Juventus). ATACANTES:
Edinho Recife(Sertãozinho-SP), Rodrigo(Sapucaiense), Esquerdinha(Panambi), Pito(Ribeirão Preto-SP), Evandro(Juventus) e Eder Salles(Juventude).

Fonte: NOROESTE NOTÍCIAS

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Paladino F.C.


Fundado em 21 de julho de 1946

COMO NASCEU O PALADINO FUTEBOL CLUBE 
Com o desaparecimento do Uruguai, inexistiam times de futebol na cidade de Santa Rosa. Foi quando chegou à cidade, vindo de Gravataí, Waldemar Simeão, que ficara lotado na Delegacia de Polícia. Juntou-se ao Senhor Moré, juntamente com os filhos deste, Dino e Arnildo, fundaram em 21 de julho de 1946, o Paladino Futebol Clube, mesmo nome do de Gravataí, escolhendo como cores o vermelho e o branco.
Faziam amistosos contra o Oriental de Três de Maio, Aurora de Cerro Largo, Grêmio e Elite de Santo Ângelo, dentre outros. E assim foi crescendo e tendo relativamente, longa vida.
Primeira Diretoria do Paladino: Presidente: Norberto Moré; Vice-presidente: Alberto Samaniego (Paraguaio); 1º Secretario: Reneu Steffen; 2º Secretário: Jacob Mander; 1º Tesoureiro: Alfredo Moré: 2º Tesoureiro: Valdemar Simeão.
NOLY JONER 

No Paladino Futebol Clube, um dos maiores jogadores foi Noly Jonner. Seu irmão Charles “pintava” bem no segundo time e foi guindado ao principal, segundo uns, graças ao prestigio de Noly. Depois de um início não tão bom, como costuma acontecer, tornou-se um artilheiro nato e durante vários anos o primeiro entre os goleados. Além dessa virtude, era um velocista nato e portador de um chute forte e certeiro.

GERMANO WUST
Germano Wust chegou à Santa Rosa, vindo de Santo Ângelo, como preposto da Construtora Medáglia, firma especializada no ramo da construção civil.
Torcedor do Grêmio Santo Angolense, logo se afeiçoou pelo Paladino, passou a fazer parte dos quadros diretivos, chegando logo ao cargo de Presidente. Por suas ligações com o clube de Santo Ângelo estreitaram=se os laços dentre as duas agremiações, que fizeram partidas memoráveis. Com esse impulso o Paladino tornou-se mais conhecido e respeitado. Foi o presidente que mais tempo ficou, brilhantemente, no desempenho do encargo. 

JOEL BRAGANÇA
Houve, em Santa Rosa uma das mais importantes empresas ligada à comercialização da soja. Chamava-se Floresta S.A. e tinha como expoentes JOÃO HOFFMANN e LEONISIO GRANDO. Importado como contabilista, aqui chegou, vindo de Sant’Ana do Livramento JOEL ITARVENU BARRETO DE BRAGANÇA, que atuara no 14 de Julho.
Com sua sabida experiência logo se enturmou no Paladino e conseguiu ser um dos destaques. Jogava como ponta de lança ou de zagueiro central. Houve um pênalti a favor. Se o gol fosse convertido o Paladino alcançaria o título. Os batedores oficiais eram Chico Queiroz e Charles. Estes se entreolharam, como a dizer - quem bate?
Joel agarrou a bola, colocou-a na marca da cal, dizendo – é tudo comigo!
Desperdiçou a cobrança, o titulo não veio e ele, para continuar jogando, formou o Floresta F.C. onde, os cobras eram o próprio, Joel, Carlinhos Hoffmann e Bernardo Elisalde, o CAMANGA.
 Colaboração João Jayme Araújo


Inauguração da Sede do Paladino FC


Ficha de inscrição do maior jogador da história do Paladino



Placa comemorativa oferecida pela
Confederação Rio-grandense de Futebol

CONQUISTAS


CAMPEONATO CITADINO DE SANTA ROSA

Tricampeão em 1970, 1971 e 1972

Bicampeão em 1966 e 1967

Bicampeão em 1961 e 1962

Tetracampeão em 1950, 1951, 1952 e 1953
Campeão em 1948

CAMPEONATO MUNICIPAL DE SANTA ROSA
Campeão em 1976

TAÇA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA ROSA
Bicampeão em 1970 e 1971.

CAMPEONTO ESTADUAL DE AMADORES
Em 1964, foi campeão da Chave 4 - Série Amarela 

Pai de Mauro Galvão jogou no Paladino em 1964(foto acima).



PRESIDENTES E PATRONO

Bandeira histórica do Paladino

Bandeira histórica do Paladino



   Décio,Nique,Julio, Ernani, Nino e Napoleão. Charles, Nolly, Lauro, Paulo Terra e Carlinhos.




As tres histonhas a seguir foram contadas por João jayme Araujo.
As fotos são de Ruy Araujo Graffunder




Fotos a seguir nos foram enviadas por Lothar






 
Ano 1962 - Estádio Carlos Denardin, por ocasião do Clássico AL-PAL, Aliança e Paladino, Raul Meneguini do Aliança e Pedrinho Acosta do Paladino, ambos quarto zagueiros.










































POR ONDE ANDA!

Clique nos nomes para acessar o histórico do atleta que fez história no clube.
Colaboração de João Jayme Araujo/POA.


Antonio Carlos Sfoggia Nunes
Juarez Assis dos Santos
Lourival Mussi de Andrade