terça-feira, 29 de novembro de 2011

Divisão de Acesso 2012

Juventus AC segue na contratação de jogadores para 2012.

O técnico Paulo Henrique Marques recebeu da direção do Juventus no inicio desta semana a confirmação da contratação de mais cinco jogadores.

O volante Belmonte, 32 anos, que atuou na Ser Santo Ângelo, São Paulo de Rio Grande e Esportivo; o meia Vandré, 32 anos, que atuou no Glória, Veranópolis e Esportivo; o volante Diego Eli, 25 anos, com passagem no Londrina e Caxias; o lateral direito Eduardo, 30 anos, jogou no Ipiranga de Erechim e São Paulo de Rio Grande e o lateral esquerdo Márcio Silveira, 27 anos, ex-Pelotas e Metropolitano de SC. Até agora o Juventus recebeu a confirmação de 11 jogadores. O técnico Paulo Henrique quer contar com no mínimo 23 jogadores para o inicio da temporada 2012 que inicia em janeiro. Até o dia 15 de dezembro pretende anunciar todos os reforços.

Sub/20 - 2011

Campeonato Brasileiro Sub-20.

Lançamento oficial do evento será neste domingo dia 04 de dezembro e será realizado na Casa Pub, as 20hs. Segundo Antônio de Souza Boidzuk, o Toni, Presidente do Juventus AC, o evento servirá para receber as delegações do Grêmio, Santos, Botafogo, Avaí e Atlético Goianiense, além de reunir, autoridades a imprensa e os patrocinadores. O campeonato brasileiro sub-20, que começa no dia 05 de dezembro contará com 20 clubes, (19 da série A e um da serie B, o Vitória da Bahia, como convidado). Os clubes foram divididos em quatro grupos com cinco times em cada chave. Classificam-se os dois melhores de cada grupo para a fase de quartas de final. Esta será a sexta edição. Em Santa Rosa os jogos serão às 19hs e às 21hs, sendo que na segunda feira, dia 05, terá a abertura oficial às 18hs.

Assessoria de Imprensa

Estádio Carlos Denardin liberado

Na tarde de hoje foi realizada a vistoria das obras do estádio Carlos Denardin para o Campeonato Brasileiro Sub-20, segundo o Sgto. Mallmann que realizou a vistoria o estádio esta liberado para ser realizado o campeonato.

Ainda no final da tarde desta terça-feira, serão trocadas alguns refletores que estão queimados.

Serão colocados cerca de 650 bancos para o público, pode ser conferido que o gramado está em perfeita condições de jogo, e os vestiários cabine de filmagem e vestiário da arbitragem estão totalmente reformados.

Fonte:NN

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Astros da Terra



CLAUDIO ANDRÉ MERGEN TAFFARELFoto Globoesporte.com


Nasceu em Santa Rosa, situada a 500 km de Porto Alegre, em oito de maio de 1966. Nasceu e cresceu jogando voleibol Aos 16 anos, jogava em duas equipes de Crissiumal. Numa, jogava no ataque e na outra, como goleiro.


Aos 18 anos, foi fazer testes, de três dias, no Internacional de Porto Alegre.
Logo no primeiro dia disseram-me para ficar de goleiro.
Jogou pelo Internacional (1984-90), Parma (1990-93 e 2001-03), Reggiana (1993-94), Atlético Mineiro (1995-98) e Galatasaray (1998-2001)
Pela seleção brasileira, tem o maior número de jogos de um goleiro da história, com 123 atuaçõs e 106 oficiais.
Outro triunfo foi também ter jogado as edições das Copas de 90 na Itália, 94 nos Estados Unidos e 98 na França.
Sofreu 15 gols nos 18 jogos em que defendeu o Brasil nas Copas do Mundo.
Começou a se destacar, nas Olimpíadas de Seul em 1988, quando espantou o mundo, ao fechar o gol do Brasil na semifinal contra a Alemanha. Naquela partida, Taffarel defendeu três penalidades, uma na prorrogação, e duas na decisão por pênaltis, levando o Brasil ao último jogo, em que terminou com o vice-olímpico na final contra a União Soviética.
A partir dali, começavam a aparecer no cenário do futebol mundial, suas defesas milagrosas, tanto na seleção, quanto no Internacional, fizeram com que os italianos o levassem ao Parma, para ser o primeiro goleiro brasileiro a jogar no futebol europeu.
Na Europa, ainda é lembrado por ter parado o grande atacante francês Thierry Henry na final da Copa da UEFA do ano 2000.
Taffarel era na época goleiro do Galatasaray e esse foi o primeiro título continental do clube turco, nesse mesmo ano ainda conquistou a Supercopa Européia pelo Galatasaray, vencendo na final o Real Madrid por 2 a 1.
Com a contribuição do arqueiro brasileiro naquela temporada, o time turco, foi considerado pela IFFHS (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol) o segundo melhor time do mundo, ficando atrás apenas do clube Madrileno.
Sua atuação pelo time de Istambul foi tão intensa, entre 1998 e 2001, onde o jogador é idolatrado até hoje pela fanática torcida do Galatasaray, o maior clube da Turquia.
O bordão Sai que é sua Taffarel!!, foi composto por Galvão Bueno em sua "homenagem" ou como plano de fundo das vitórias de Taffarel.
Hoje em dia esse bordão é usado aos atuais goleiros da Seleção Brasileira.
Taffarel ficou no Parma de 90 a 93 e depois jogou no Reggina, também da Itália, de 93 a 94.
Retornou ao futebol brasileiro em 1995 para jogar no Atlético Mineiro, clube ao qual defendeu até 1998.
Foi para o Galatasaray, ainda em 98, e encerrou a carreira jogando no futebol turco. Continuou durante algum tempo em Istambul para treinar goleiros antes de retornar ao Rio Grande do Sul.

Taffarel tornou-se um especialista em defender pênaltis, além de contar com muita sorte nas cobranças que batem na trave ou passam longe do gol. Foi assim na conquista do tetracampeonato mundial em 1994, nos Estados Unidos, quando segurou a cobrança do italiano Massaro e viu Roberto Baggio isolar a bola por sobre o travessão.

Teve uma BMW, a qual pilotava, que o levaria a uma nova conquista, quando aconteceu um MILAGRE: “ Quando estava indo de carro para Empoli, onde atuaria, seu veiculo começou a apresentar problemas.
Deixou de funcionar. Pura e simplesmente.
Estava a caminho e ele começou a ficar esquisito. Até que parou. Assim, no meio da auto-estrada. “Não há coincidências na mecânica. Aquilo foi um sinal de Deus, diz ele. O carro parou de repente. Esperei uns minutos e tentei outra vez, mas nada. Por isso, saí do carro tranquilamente, telefonei aos dirigentes do Empoli e disse-lhes para anular o acordo. Eles foram gente boa.”

Confessa que conserva uma certa nostalgia, mas agora tem mais tempo para a família [mulher e dois filhos], que é o meu tesouro.
Adora levá-los à Disneylândia.
De resto, diz ser um pescador jeitoso; não ter boa mão na cozinha.
Só se for para ovos.
Gosta de aprender novas línguas - e fala dar uns toques no italiano e no inglês Vê pouco televisão e detesta computadores
Quando estava na Turquia ele e família levaram um susto de um terremoto ocorrido no dia 17 de agosto de 1999.
Conta:
“Nunca vi tanta dor e sofrimento em tão poucos dias.
Eram três da manhã quando a minha casa tremeu. Estávamos dormindo quando os quadros começaram a cair da parede, as garrafas partiam-se e o chão desfazia-se com uma facilidade impressionante.”
“Temi o pior. Eu, a minha mulher e os meus filhos fomos correndo para um abrigo do Galatasaray, onde encontrei o Popescu [defesa romeno], que morava acima de minha residência e não estava em casa naquela hora
. Nos dias seguintes, eu e a minha família dormimos naqueles colchões infláveis de piscina. Foi a saída”.
veis

Sem a obrigação de cumprir a antiga rotina de treinos, jogos, concentrações e viagens, Taffarel é hoje um homem dedicado totalmente à família. Junto com a esposa Andréa (com quem está casado há mais de 20 anos) e os filhos Catherine, 13 anos, e Cláudio André, 12, divide o tempo entre Porto Alegre e Parma.
Na Itália, onde viveu por oito anos, mantém uma casa, com carros e um caseiro.
A Taffarel/Paulo Roberto Assessoria e Consultoria Esportiva começou com a chuteira direita, como dizem os portugueses.
Afinal, o primeiro cliente do escritório é ninguém menos que Fernandão, o capitão que ergueu as taças mais importantes de toda a história do Inter: a da Copa Libertadores da América e a do Mundial de Clubes. Agora Diretor Executivo. Além do craque colorado, aposentado, Taffarel representou o goleiro André, do Juventude, com quem chegou a trabalhar ainda nos tempos de Inter, e vários jogadores das categorias de base da dupla Gre-Nal, com 15 e 16 anos de idade.
“Sempre quis seguir trabalhando com o futebol, mas nunca tive paciência para ser treinador. Por isso, acabei aceitando o convite do Paulo Roberto para trabalharmos juntos. Está dando certo, estou curtindo bastante essa nova fase da minha vida”, conta o empresário Taffarel, que se recusa a trabalhar de terno e gravata.
Quando estávamos finalizando esta matéria a Internet divulgou:
“ O ex-jogador brasileiro Claudio Taffarel, famoso por defender a seleção brasileira por muitos anos, deve voltar ao futebol turco”.
Segundo o jornal português A Bola, o goleiro, que teve passagem pelo Galatasaray entre 1998 e 2001, será o novo treinador de goleiros da equipe.


Prêmios Individuais
Bola de Prata - Melhor goleiro do Campeonato Brasileiro de 1987:
Bola de Prata - Melhor goleiro do Campeonato Brasileiro de 1988:
Bola de Ouro - Melhor jogador do Campeonato Brasileiro de 1988
Terceiro melhor goleiro do mundo (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol - IFFHS): 1991 e 1994;
Quinto melhor goleiro do mundo (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol - IFFHS): 1990;
Sétimo melhor goleiro do mundo (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol - IFFHS): 1989, 1992, 1998, 2000;
Nono melhor goleiro do mundo (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol - IFFHS): 1997.
Taffarel está no Top 10, da IFFHS, sendo um dos melhores goleiros da história do futebol mundial.
Eleito em 2006, o melhor goleiro brasileiro em Copas do Mundo, votação realizada, pelo Programa Globo Esporte da Rede Globo.
Ganhou um prêmio da Rede Britânica BBC, como o melhor jogador da final na Copa da UEFA do ano 2000, no jogo: Galatasaray (TUR) e Arsenal (ING).

Títulos

Parma:
Copa da Itália 1992 e 2002
Recopa Européia 1993.
Atlético-MG:
Campeonato Mineiro 1995
Copa Centenário de Belo Horizonte 1997
Copa Conmebol 1997.

Galatasaray SK:
Campeonato Turco 1999 e 2000
Copa da Turquia 1999 e 2000
Copa da UEFA 2000
Supercopa Européia 2000.

Seleção Brasileira:
Campeonato Mundial Juniores 1985
Medalha de Ouro Jogos Panamericanos 1987
Torneio Bicentenário da Austrália 1988
Copa América 1989 e 1997
Copa do Mundo FIFA: 1994

Em sua terra natal, Santa Rosa/RS., foi construido um monumento em sua homenagem, junto a uma rótula, a qual leva também o seu nome.

Pesquisa Internet:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cl%C3%A1udio_Taffarel

domingo, 27 de novembro de 2011

Fatos e Fotos Antigas

PARTE XIV

1 – SUNGA ELÁSTICA NA MODA

Assim como hoje os jogadores e atletas usam uma vestimenta de elástico que, não raras vezes, se nota ou aparecem sobre as coxas, no passado existiu uma sunga elástica.

À moda de cuecas que hoje usamos, tinham o mesmo formato, mas, maiores,na parte superior aparecendo por cima do calção caso se quisesse.

Sergio Moacir goleiro do Grêmio na época, fez com que aparecessem dobradas em cima dos calções na altura do umbigo, como charme. Daí para encontrar seguidores foi pra já.

(O Paulinho Araujo, um dos que aderiram ao modelito, vestiu assim. Observem, nas foto dele,na parte superior dos calções.

2 – MATO DO LIBÂNO

Ainda antes de ser conhecido como campo do Pessegueiro, no local se praticava o futebol.

Houve um garoto que acompanhado o pai, lá esteve para assistirem uma partida.

Na época não existiam nem se falava em instalações sanitárias.

Esse guri, sentindo-se necessitado rogou ao pai: - o que eu faço?

O pai com um sorriso nos lábios, disse-lhe: - vai por aí.

Toda a vez que surgia um “aperto” - em casa - a situação era recordada:

vai, correndo, pra o mato do Libâno.

3 – NENÊ CANHA

Atuou por aqui, Santo Ângelo, e Três de Maio, um bom meia cancha, que tinha, por motivos óbvios, o apelido de Nenê Canha. Na capital missioneira, jogara com LAMBARI, no Tamoio.

Saindo da terra, LAMBARI jogou em Rio Grande, de onde se transferiu para o Internacional. No colorado, foi autor do primeiro gol do Inter contra o Corinthians, em São Paulo, sendo, por isso, a chuteira que usara para tal, selecionada como um troféu e lá está para quem quiser ver no Museu do clube.

Estando em Porto Alegre Nenê Canha foi aos Eucaliptos, ver se arranjava uma grana com seu ex-colega. Encontrei-o nas cercanias do Estádio, deitado ao chão, já em estado etílico. Reconheceu-me e depois de pedir algo, destratou ao Lambari, dizendo: esse fdp, negou-se a me socorrer não reconhecendo que comigo aprendeu a jogar futebol!

4– CENTROVANTE

Para ser fiel com a historia e relembrar os centroavantes na nossa fase, nos principais times, éramos três: Pinicilina, no Aliança, Charles Jonner no Paladino e este modesto escriba, no Juventus.

Sobre Pinicilina, sentenciou o premio Esso de Reportagem, nosso conterrâneo Carlos Kolecza: “Nos presenteou um futebol mais inteligente e bonito ainda vivo em nossas memórias.”

Charles dono de um pé direito muito potente e velocista nato, artilheiro de respeito..

Eu jogava pouco, mas me colocava bem na área assim marcando gols. Já em Porto Alegre, poucos anos atrás, fui interrompido por um cidadão – Sr.TRIPLER, que me perguntou: tu não és o Jayme?

Diante da minha confirmação disse ter acompanhado minha carreira esportiva, como morador em Três de Maio e torcedor do Oriental e que eu fora o melhor centroavante que ele vira jogar.

Meu ego subiu às alturas. Agora, sem falsa modéstia, revelo esse segredo. Que vale ficar numa ilha a sós com a Angelina Jolie e não poder contar! Os segredos devem ser guardados, até por ai!

5 – SETE DE SETEMBRO

Em Cruzeiro, o primeiro clube de futebol que recordo foi o 7 de Setembro. O campo, todo de terra.

Situado num terreno, ou praça na frente do Clube do mesmo nome, que tinha como destaques um salão de baile, canchas de bolão e um palco para apresentações artísticas.

Nessa época, a equipe era integrada por guris do distrito, dentre os quais, WALNIR DEON, JOÃO GIRARDI, BELTRAME e os primos MINUCI

Jogávamos uma partida amistosa e eu sempre de centroavante. Alguém cruzou uma bola da direita, o goleiro se passou, ela já estava entrando quando o famoso Center-forward cabeceou para confirmar o gol, mas, com muita falta de inspiração ou com total imperícia cabeceou-a para fora

Teve de voltar a pé, pelo caminho dos trens da Viação Férrea, nunca mais ser convidado para lá ir jogar e, por vir pelos trilhos, perdeu o TODA E HORA e aprendeu o ditado: “quem procura atalho, procura trabalho”

6 – VILA DOS TAQUARIANOS

Quando jovens nada era empecilho para alcançarmos a felicidade de jogar futebol, mesmo que para isso tivéssemos de andar por quilômetros e mais quilômetros.

Assim íamos a pé até o Quilômetro 3 ou Vila dos Taquarianos, na estrada para Tuparendi, passando por Cruzeiro.

A denominação deve-se, talvez, pela colonização ter sido feita por pessoas vindas da cidade de Taquara.

Íamos a pé, seguindo pela Vila Flores, em direção ao Norte. Lá chegados jogávamos com os nativos, num campo de futebol, grande, de dimensões oficiais, mas todo de terra,nada de grama.

Terminada a refega vínhamos pelo mesmo atalho para encurtar distancias, cansados pelo jogo e pela caminhada. Porém, no gozo da felicidade... Éramos felizes e ainda não sabíamos!

7 – TAQUARIANOS

Originários da Vila do mesmo nome, pelos menos dois Taquarianos, fizeram historia no futebol da cidade.

Adãozinho apareceu em Cruzeiro e atuou, inicialmente, pelo Juventus. Por motivos ignorados – talvez problemas de deslocamentos – tanto aparecia como desaparecia. Ressurgiu depois, no Paladino, e deve ter encerrado a carreira no Aliança ou no Juventude. Avante todo desengonçado, corria como se viesse aos trambolhões, mas, normalmente comparecia no placar, como se diz hoje.

Eloy fez parte de uma onda de renovação no Aliança quando tal aconteceu no elenco. Atuava pela ponta direita. Foi campeão estadual.

Hoje, como fiscal fazendário, aposentado, vive em Tucunduva e trocou o futebol pela pescaria. Deve ser daqueles que têm muita historia para contar!

8 – COMUNISTA ESCREVE EM MURO

Lá pela década de 50, chegou a Santa Rosa, para servir no 1º Regimento de Cavalaria Motorizado, o Sargento Amandio Bogado.

Nascido se não me engano no Estado do Mato Grosso, tinha o sotaque inconfundível dos de fora do estado.

Já casca grossa, como se diz na linguagem de caserna, aparece assim, de repente jogando futebol pela ponta direita do Aliança.

Era exímio nas bolas levantadas para a área, onde o Penicilina, com a sua destacada categoria, estava a postos para mandar para as redes.

Foi a antevisão das cruzadas do Waldomiro para os gols do Dadá Maravilha.

Ao guri do interior pouco versado em política internacional, sempre chamou atenção um adágio que dizia e repetia constantemente: “Comunista escreve em muro”.

Despreza dos prováveis avanços conquistados pelos bolcheviques!

9 – 3º SARGENTO BIRCKE

O João Carlos Bircke e eu, incorporamos às fileiras do Exército, como se dizia, no mesmo ano.

Precedeu-nos, um ano antes o Carlinhos Oliveira. Fizemos os três o curso de Sargento, juntos. Alcançamos, possivelmente, as mesmas notas.

Havia no quartel, duas vagas a serem preenchidas. A primeira foi do Carlinhos, pela precedência. A segunda, do escriba, por já possuir o curso de técnico em contabilidade.

Mesmo na perspectiva de ser promovido logo adiante, João Carlos Bircke, optou por dar baixa.

Foi trabalhar no Banco Agrícola Mercantil. Talvez, para ele tenha sido melhor.

Ingressou, depois, por concurso, no Banco do Brasil, tendo exercido funções importantes até no Banco Central em Brasília onde trabalhou com NESTOR JOST.

Hoje, aposentado, vive feliz com a família, provando espumantes, – SALTON – na cidade de Bento Gonçalves.

10 – MOTO A TITULO DE LUVAS

Já rasguei elogios para ALCEU AMBROS MALMANN, que morando em Santa Rosa para estudar, porque era de Tuparendi, hospedava-se, no HOTEL LIBERALI, local onde o Juventus foi fundado, pois aí se hospedava, também, o. Prof. ALBINO WERLANG, que foi o mentor intelectual da criação do clube.

Jogou no Juventus até que, graças às suas indesmentidas qualidades como atleta, foi sondado pelo presidente do Aliança, FRANCISO JOSÉ BERTA para defender as cores do tricolor.

Na mesma ocasião que o DECIO e o NIQUE, foram contratados por uma geladeira. No acordo ALCEU pediu e recebeu uma moto.

Os irmãos ZOEHLER, logo foram descobertos, sendo apelidados de geladeira, enquanto ALCEU flanava de Tuparendi para Santa Rosa e vice-versa, pilotando a moto, que, deveria ser o ultimo lançamento da HARLEY DAVIDSON ou da SUZUKI!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Divisão de Acesso 2012

Mais três contratações foram confirmadas pelo Juventus

Os jogadores, Renan Romanini, Mano Garcia e Juliano Navarini foram confirmados hoje, 21, como reforços do Juventus AC para 2012. Romanini, ex-juvenil do Grêmio atuou esse ano no Passo Fundo, é meia, tem 22 anos. Mano Garcia, 31 anos é atacante esse ano jogou pelo São Paulo de Rio Grande. Juliano Navarini, zagueiro de 28 anos estava no Esportivo. Marcos Knorst, Gerente de futebol do Juventus acredita que até o final deste mês o clube já tenha definido o elenco para 2012. A temporada deve iniciar no dia 17 de Janeiro.

Contratado novo preparados físico

A Diretoria do Juventus AC de Santa Rosa confirmou nesta semana a contratação do novo preparador físico. Andriane Padilha que atualmente trabalha no Grêmio Bagé, vai assumir o comando da preparação física nos profissionais do Juventus em 2012. Padilha que já passou por vários clubes do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro tem 28 anos é formado em Fisiologia pela Universidade Gama Filho do Rio de Janeiro. A comissão técnica deve ser completada com o preparador de goleiros Dion dos Santos. O técnico é Paulo Henrique Marques.

Fonte:NN

Sub 20

Brasileirão começa no dia 05 de dezembro

A Federação Gaúcha de Futebol definiu na data desta segunda feira, 21, os grupos que irão disputar o Brasileiro sub 20. O grupo 1 - Sede em Alvorada terá: Fluminense, Palmeiras, Atlético Paranaense, Ceará e América Mineiro; Grupo 2 Sede em Pelotas: Cruzeiro, Internacional, Flamengo, Figueirense e Bahia; Grupo 3 – Sede em Porto Alegre: Corinthians, Vasco da Gama, Atlético Mineiro, Coritiba e Vitória da Bahia; Grupo 4 – Sede em Santa Rosa: Grêmio, Santos, Botafogo, Avaí e Atlético Goianiense.

O inicio da competição será no dia 05 de dezembro e encerrando dia 20 de dezembro. O sorteio dos jogos será realizado nos próximos dias na Federação Gaúcha de Futebol organizadora do Campeonato Brasileiro de Futebol Sub 20. (Fonte FGF)

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Divisão de Acesso 2012

Congresso Técnico realizado nesta tarde na FGF definiu a fórmula de disputa.


A fórmula de disputa da divisão de acesso de 2012 ficou definida em reunião realizada nesta tarde no plenário da Federação Gaúcha de Futebol. A reunião contou com o presidente da FGF Francisco Novelletto Neto, representantes dos clubes envolvidos e integrantes do Departamento de Futebol Profissional. O Certame contará com quatro fases em turno e returno.

A Primeira Fase, com início em 04 de março, contará com duas chaves de 10 clubes. A Chave 1 será formada por 14 de Julho, Brasil de Pelotas, Farroupilha, Rio Grande, São Paulo, Inter-SM, Riograndense, Riopardense, Guarany de Camaquã e Guarany de Venâncio Aires. A Chave 02 terá Juventus, Passo Fundo, União Frederiquense, Panambi, Brasil de Farroupilha, Esportivo, Porto Alegre, Sapucaiense, Glória e Santo Ângelo. Os seis primeiros de cada chave se classificam para a Segunda Fase e os três últimos estarão rebaixados para divisão inferior. A Segunda Fase será disputada em dois hexagonais, nas chaves 3 e 4 respectivamente. Os dois melhores colocados de cada chave irão formar o quadrangular da Terceira Fase. Após a disputa do quadrangular os dois melhores colocados estarão na elite do futebol gaúcho e classificados para a Quarta Fase . Nos dias 25 e 29 de julho ocorrem os jogos finais.
Fonte: FGF

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Homenagem

A VIDA DESFALCOU NOSSO TIME

João Jayme Araujo

jjgaucho23@hotmail.com

Os integrantes de nosso time, guardadas as limitações, de existir de acordo com a capacidade de cada um, não exigindo mais do que o aceitável, vinha se comportando muito bem, no embate da vida, até o decorrer do segundo tempo. Reuniam o esforço individual de cada um e, da mescla de qualidades presente em todos. Íamos indo.

Características a destacar, em todos e em cada um: espírito jovial, estágio nas categorias inferiores, dentro das expectativas. Ao serem promovidos para a equipe titular, as cobranças foram maiores. Foi ai que as individualidades começaram a aparecer.

Um recém chegado à cidade, vindo do Alegrete, com o passar do tempo, despontou com fibra, honestidade, garra, espírito inovador, capacidade de iniciativa. Jogou em várias posições, desempenhado, sucessivamente, os atributos de chefia e de gerenciamento em todos os postos em que seu trabalho foi solicitado.

Outros três, originários da terra, mas, com visão de jogo completamente diferentes. Num deles destacaram-se: juventude, exímio datilógrafo, militar dos mais conceituados junto a colegas e chefes, tendo atuado, também, fora de nossos pagos no desempenho de seu mistér, voltando à terra para desempenhar funções que o recomendam e servem de exemplo àqueles que lutam em defesa dos desígnios superiores da sociedade organizada.

Outro, criado com humildade e na orfandade paterna, tornou-se o pai da casa. Desde pequeno tendo um horizonte a alcançar procurou-o com denodo e repartiu atividades de assistência aos humanos e aos animais.

Por fim, jovem vindo de família mais abastada, foi fazer estágios em centros maiores. Retornou à terra, partiu para a caserna e como cigano foi dividir seu saber com os irmãos do Norte do país e de lá trouxe a madrinha do time para o nova agremiação familiar que estava se constituindo.

Todos estavam no apogeu da vida. Já colhendo os frutos do que haviam plantado. Mas. Sempre há uns mas!

Como disse Joaquim Nabuco: “ninguém sabe como é feita a contabilidade divina: ações que criamos fossem lançadas em credito estarão na coluna dos débitos”.

O contrario também ocorre. Entretanto, DEUS na sua infinita sabedoria, resolveu convocá-los, todos no mesmo ano, para integrarem a equipe celeste.

O ano nos desfalcou dos quatro. Em troca, nos rendendo a vontade divina, temos mais santos de devoção a representarmos na estância grande do céu.

Estejam em paz, Napoleão, Olívio, Saul e Carlinhos. E, protejam-nos se for da alçada de vocês.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

REFORÇOS PARA 2012

Técnico Paulo Henrique começa a montar o time do Juventus para a série intermediária do Gauchão 2012.

O técnico Paulo Henrique começa a montar o time do Juventus de Santa Rosa para a disputa da Série Intermediária do futebol gaúcho (antiga segundona) na busca de jogadores para a formação do novo plantel. Depois do Juventus cumprir boa campanha neste ano quando ficou em quarto lugar, a Diretoria esta montando uma equipe para garantir o acesso a 1ª Divisão. Além do técnico Paulo Henrique, os trabalhos também estão sen
do coordenado por Marcos Knorst, Gerente de Futebol. Apesar da crise financeira que passa e praticamente sem recursos, os reforços para 2012 já estão praticamente garantidos. Alguns deles são conhecidos do futebol gaúcho. Nomes como o Goleiro Luciano, ex-Brasil de Pelotas, o atacante Flaviano, Ex-Esportivo, Novo Hamburgo e Brasil de Pelotas e o meia-atacante Cinval, ex-Passo Fundo, Avenida e São Bento de SC, já estão garantidos e devem assinar contrato nos próximos dias. A diretoria do Juventus corre atrás de patrocinadores para a temporada 2012 que certamente darão um suporte maior para que a diretoria faça boas contratações e serão parceiros junto ao time nesta importante caminhada.
Departamento de Esportes

Abaixo, os novos reforços para a temporada:


Luciano Morais Ribeiro, 1m78 e 76 kg.


Flaviano Gutenberg, 33, atacante, 1m72 e 78kg.


Cinval de Oliveira, 31, meia-atacante.

domingo, 13 de novembro de 2011

ASTROS DA TERRA


PAULO MORONI


Nome: Paulo Ricardo Moroni
Data de nascimento: 29.08.1961
Naturalidade: Santa Rosa-RS
Formado na Escola Superior de Educação Física do Exército, em 1997.



Na foto acima, Moroni aparece em pé, é o quinto atleta da esquerda para a direita, quando iniciava sua carreira, ainda no futebol amador, vestindo a camisa do Real Madrid de Santa Rosa. (Foto http://futebolemsantarosa.blogspot.com/)

Conhecido no futebol como Moroni, começou a carreira cedo. Iniciou suas conquistas ainda na época de jogador. Quando virou técnico, se transformou um bom revelador de jogadores. (Com informações do site do Santa Cruz)

Moroni no Vasco da Gama do Rio de Janeiro


CLUBES EM QUE MORONI JOGOU E SUAS CONQUISTAS COMO ATLETA

(Clique para ampliar)


CLUBES QUE MORONI ATUOU COM TÉCNICO
(Clique para ampliar)


Fonte: http://www.futebolinterior.com.br/ga/perfil_view.php?id_cadastro=277

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Campanha novos associados

Sócios em dia terão ingresso gratuito durante os jogos do Sub-20

A direção do Juventus A.C. iniciou essa semana uma campanha que visa buscar novos sócios. Na secretaria do clube, a diretoria apresentou à nova formula de atendimento, cuja nova estrutura trará benefícios para o sócio-torcedor. Entre as novidades a nova carteirinha de sócios e a contribuição por nove meses. Existem duas categorias de sócio: Quem contribuir com R$ 30 reais por mês terá direito a uma cadeira numerada na área lateral coberta. Já quem contribuir com R$ 50 reais por mês terá direito a uma cadeira numerada na área central coberta. Em qualquer modalidade, se a mensalidade for paga em dia, o associado terá o direito de concorrer ao sorteio de uma moto zero KM ao final de nove meses de contribuição. Se tornando sócio e quitando duas mensalidades até o dia 05 de dezembro, poderá usufruir do ingresso livre em todos os jogos, do Brasileiro Sub-20 e Segundona 2012. Interessados em associar-se ao Juventus, poderão procurar a secretaria do Clube que funciona junto ao Estádio Municipal Carlos Denardin, no horário das 08:30hs as 11:00hs pela parte da manhã e das 14hs as 17hs na parte da tarde, ou ainda ligar para o numero 3512 6753, falar com a Susana ou 8116 5852 falar com o Nei Ceratti. Quem já é sócio do Clube e esta inadimplente, poderá fazer a quitação das mensalidades pendentes na secretaria.

Estádio Carlos Denardin em obras para o Brasileiro Sub-20.

Focado nos jogos do Campeonato Brasileiro Sub-20 que acontecerá no inicio de dezembro a Direção do Juventus A.C, aguarda com ansiedade o término das obras de reformas no estádio Municipal Carlos Denardin. As melhorias e adequações que estão sendo realizadas já podem ser vistas pela população, sendo, a construção de um espaço para torcida visitante com banheiros, melhorias no vestiário para visitantes, reforma das arquibancadas com a colocação de novos bancos, vestiário novo para arbitragem e uma nova cabine de imprensa. Para Antonio de Souza, o Toni, Presidente do Juventus, as reformas no estádio municipal credenciam cada vez mais o município para sediar jogos importantes realizados a nível de municipio, estado e do país. Acrescentou que existe uma parceria muito importante com a Prefeitura Municipal e a Secretaria Municipal de Esportes e Lazer que buscou os recursos através de emenda parlamentar, licitou as obras e executa a fiscalização das mesmas. Toni finalizou dizendo que, para nós é como se estivéssemos nos preparando para a Copa do Mundo, pois além da preparação do Estádio vamos receber mais de 100 atletas, muitos deles hoje jogando na equipe principal no Brasileirão. A partir do dia 05 de dezembro o município recebera as equipes do Grêmio, Santos, Botafogo, Avaí e o Atlético Go, que estarão disputando partidas na primeira fase classificatória do Campeonato Brasileiro Sub-20. Este ano será a terceira vez consecutiva que o município irá sediar os jogos. Nos últimos dois anos foi escolhida pela Federação Gaúcha de Futebol como a melhor sede.

Fonte: NN

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Fatos e Fotos Antigas Parte XIII

PARTE XIII

1 – PSICOLOGIA E MALANDRAGEM DE TREINADOR

Prof. Paulo Araujo, que foi técnico do Juventus, Paladino, Aliança. Juventude, Sepé e ASRE.

Quando treinador do Paladino, contava em circunstancias especiais, com um atleta de Crissiumal.

Numa semana de partida importante, o jogador centro avante – talvez o melhor da equipe – de um momento pra outro apareceu manquitolando, com o evidente propósito de amorcegar, quiçá, para levar algo “por fora” de um dirigente. Notando a evidente malandragem, o treinador não se abateu. Mandou chamar o jogador de Crissiumal.

Este passou alguns dias em treinamento e foi escalado para integrar o onze. O “contundido” sabendo ser ele o melhor da equipe, quando se assegurou junto ao treinador que não jogaria, surpreendentemente ficou curado. Mesmo contra a opinião dos cartolas, o técnico manteve sua palavra. Deixou-o na reserva.

No intervalo do primeiro tempo o atleta insistia em jogar. No meio da etapa complementar, como o marcador se mantivesse mudo o treinador olhou para o atleta e disse-lhe:

Vá lá. Jogue! Ganhe o jogo. Em caso contrário não mais atuarás comigo. E nem em Santa Rosa.

O atleta, agora obediente, temeroso entrou em campo comeu a bola, fez o gol da vitória. Para se ter sucesso na vida, às vezes, é necessário, pôr as coisas em seus devidos lugares.


2 – PUXÕES DE ORELHAS



Devido à superioridade do time por ele treinado, notou que seus jogadores já não tinham o mesmo interesse, o mesmo empenho nas ultimas partidas. Pensou, pensou como poderia motivá-los para que parassem de fazer corpo mole.

No momento da preleção, sentou-se junto a eles. Ficou fitando-os sem dirigir-lhes nenhuma palavra.

Instaurou-se, então aquela cena famosa da briga entre o gato e o rato.

Passados minutos, dirigiu-se aos seus pupilos assim: - eu ainda não escalei a equipe. Quem se considera destacado titular absoluto e pensa que por isso não precisa se empenhar alcance sua camiseta para os reservas. Eles, por certo irão dar a vida pela vitória.

Todos esses vestiram as respectivas camisas, jogaram, fizeram tanta força, como se estivessem em testes. E o resultado não se fez esperar.


3 – DESCOBERTA DO CENTROAVANTE



Treinando o Aliança, certificou-se que seu time não tinha um centro avante decisivo e que soubesse cabecear.

Dentre os atletas de seu elenco havia um, já veterano. Bom cabeceador, mas, sempre jogara na zaga.

O técnico dirigiu-se a ele e disse: preciso de alguém que saiba cabecear para ganharmos esse jogo. Topas quebrar-me o galho atuando de centro avante, com essa missão?

Com a aquiescência dele, escalou-o e determinou a seus dois ponteiros que cruzassem a bola para a área, toda vez que isso fosse possível.

O veterano cumpriu sua missão com brilho, tendo, inclusive marcado o gol da vitória.

4 – DOMINIO DA MEIA CANCHA

Enfrentou um time que tinha, na meia-cancha, só craques. Os conhecia bem, vez que fora treinador deles.

Determinou a seus atletas que só jogassem pelas laterais, impedindo que a bola passasse por este setor de campo do adversário.

Os jogadores cumpriram com o que lhes tinha sido orientado.

Terminada a partida um dos atletas adversários, que praticamente não viu a bola, perguntou: - como é que a pelota nunca chegava ao nosso meio campo, Prof.Paulo? Simples, pra vocês não jogarem e não se adonarem da partida a única maneira era fazer com que a bola não chegasse na meia cancha, jogando sempre pelas laterais!.


5– GREMIO SANTA-ROSENSE


Equipe do Grêmio Santa-rosense Campeão da Copa do Imigrante em 1973.

Tendo assistido alguns jogos desta categoria, em campanha por Santa Rosa, foi procurado por um dirigente gremista, para dirigir o time num jogo de decisão.

Não querendo envolver-se diretamente e tendo constatado que os seus adversários tinham por atividades no quartel, no condicionamento físico, seu ponto alto, na preleção, enfatizou este detalhe, ressaltando que para vencê-los, era tentar prender a bola, o máximo possível.

Evitavam, assim, um desgaste que eles impunham, com a intensa movimentação. Palavras textuais: “só existe uma bola em jogo, vamos tentar mantê-la em nosso poder, sem chutá-la a esmo, para a frente, objetivando os contra-ataques.”.

Tal foi cumprido à risca.

Não entrando na correria do adversário, o Grêmio venceu surpreendentemente o time favorito, provocando uma festa de enormes proporções na cidade.

(Paulo Zenni Araujo)


6– A SUPERSTIÇÃO.

Jogava-se um clássico em Santa Rosa. E, como em todos os lugares, estes confrontos, provocam as mais surpreendentes reações, envolvem dirigentes, torcedores, enfim, vale tudo que foge a normalidade.

Uma hora antes do jogo, chegávamos ao estádio municipal. Quando entramos no vestiário, nos deparamos com algo pouco comum no seu ambiente.

Atrás da porta estava um copo de água, uma vela acesa e um ramo de espada de São Jorge.

Pude perceber uma série de reações dos jogadores diante do fato.

Começaram a se fardar, alguns recebendo massagens, outros ocupados no rotineiro. Quando estavam todos prontos, esperando pelas orientações finais, fiz somente uma observação: “Já nos preparamos durante a semana, o que tinha de ser feito já se fez, mas, agora eu quero mais um pouco da atenção de vocês.

Eu não quero e nunca interferi nas crenças religiosas de ninguém mas, eu vou tomar uma iniciativa, vou jogar este copo de água fora e, com ele o ramos de espada de São Jorge e também vou apagar esta vela.

Se eu acreditasse nisto, e não no futebol de vocês, e no meu trabalho como treinador eu não estaria aqui, rasgaria o meu diploma e ficava em casa.

“Vão lá e ganhem o jogo pela competência de todos”.

Não deu outra. Ganhamos e o ritual foi esquecido.

(Paulo Zenni Araujo)


7– CAMPINHO DA VILA MILITAR

Orly Brito Vieira e Ivon Brito Vieira

Ali, onde penso, que ainda se encontre a Vila Militar dos Oficias, havia um terreno baldio que era “habitat” de perdizes.

Íamos, na infância, treinar os cachorros perdigueiros juntamente com meu pai para conhecerem e sentirem o cheiro da ave.

Com a chegada do progresso e da habitabilidade da Vila, as perdizes se foram embora. Ficou, ali, abandonada, uma boa réstia de grama.

Para o local tornar-se um campinho de futebol foi um pulo. A ORLY e IVON BRITO VIERA, filhos do Cap. SALDANHA, logo se enturmaram Paulo, Jayme e Ruy, que moravam próximo, para lá acorriam em todos os momentos de folga.

8 – JUNIOR’S ATLAS

Houve, em Santa Rosa, um time de futebol de salão, que ficou famoso pelos resultados conseguidos aqui e nas redondezas, o ATLAS.

Fazia parte da equipe um dos irmãos de uma grande família, cujos “estrangeiros” vinham à cidade, visitar seus pais, no período de férias.

Travou-se uma discussão entre os que aqui não residiam e os da cidade que culminou num desafio para uma partida a fim de provar quem era o melhor.

Os porto-alegrenses enxertados de familiares da terra, sendo goleiro um gurizinho, lograram um empate de três a três no tempo normal.

Os locais desafiaram para uma prorrogação. Aceita esta e, mais uma, as partidas terminaram em quatro a quatro e, depois, em cinco a cinco.

Os cobras do JUNIOR!S ATLAS, rogaram por mais um acréscimo de tempo.

Nós, contestamos. Só queríamos provar que vocês não são tão bons quanto se alardeia. Esperem pelo próximo ano!

Nosso time? Alemão, Jayme, Paulo, Mauro e João Carlos Macluf.


9 – FLÁVIO E CÍCERO


O Dr. Vicente Cardoso a quem a cidade tanto deve junto com dona TIDA, tiveram dois filhos homens. Um Flávio, oficial do Exército e, como tantos, só vinha a terra em tempos de férias.

Quando aqui estava integrou por várias vezes a equipe do Paladino, como goleiro.

Tinha o rosto todo marcado e diziam isto se devia, ao arrojo, uma vez que, uma de suas características, era jogar-se nos pés dos atacantes adversários, machucando a “cara”, não raramente.

Cícero, o mais novo, exemplando-se no irmão, também seguiu a carreira militar, tendo mesmo, no desempenho de suas funções, servido no IRAQUE.

Como goleiro, apenas o vi jogar no segundo time do Ginásio, pois, com ele atuei.

Deve ter tido destaque, também, nos times de oficiais do Exército nos quais atuou.

10 – CHUTEIRAS


As primeiras chuteiras – que os castelhanos chamam fobas – das quais se teve conhecimento na terra eram de cor branca, com o bico em couro escuro e com madeira na ponta para se fazer gol “de bico”.

Perduraram por muito tempo.

O comercio desses sapatos era incipiente e corria-se a fazer encomendas para seleiros e sapateiros para que as confeccionassem.

As traves delas chamavam-se garradeiras e às vezes tinham o formato redondo que iam até o solado e eram presas por pregos de sapateiro, às vezes salientes.

Havia, porém, os mal intencionados que mandavam fazer as agarradeiras de aço.

Em caso de uma perna atingida era corte na certa, mesmo porque, raramente se usava caneleiras.

Era quando entravam em ação os massagistas com curativos de iodo- que ardia como o inferno – ou mercúrio cromo, que deixava a pele com cor de sangue.

Mesmo as tornozeleiras vieram depois e usadas por cima das meias, para serem exibidas com destaque...