domingo, 27 de maio de 2012

Copa Giruá

Placar da 3ª Copa Butiá de futebol de base de Giruá
Juventus vence Aymoré e classifica.
Milton Harvey Schwerz

Jogando neste sábado, dia 26, no Estádio da Taba Índia, às 14,30 h,  Juventus de Santa Rosa e a equipe local do Aymoré, pela fase semifinal da competição. Não fizeram um grande espetáculo.  Foi uma disputa unilateral, onde se destacou a equipe juventina, com amplo domínio das ações. A equipe local não se encontrou em campo. Chutões para frente e com falhas em seu setor defensivo, proporcionou aos santa-­­rosenses a vantagem elástica no marcador, através de Lorenzo Kerber e Gedielson, já na primeira etapa. A tônica do jogo era o Juventus atacando e o Aymoré se defendendo.  Esporadicamente, o Aymoré fazia tentativas no ataque, porém infrutíferas.  Vinícius ampliou o placar para o Juventus, dando cifras definitivas ao resultado de 3x0.
Fomaram as equipes:
Juventus AC : Maikel; Felipe, Eduardo, Cristian e Wagner; Ademir, Raul e Marcel; Vinícius, Lorenzo e Gedielson.
EC. Aymoré:  Guima; Tiago, Júnior, Neide e Fabian;  Bruno L., Figur, Leonardo e Fabiano; Dudu e Bruno A.

No jogo de fundo, Cometa de Panambi e Aymoré de Giruá, fizeram um jogo mais equilibrado. Na primeira etapa, mais solto e desenvolto na disputa, o Cometa abriu o placar através do goleador e grande destaque do time e da competição na categoria infantil, Tiago Wentz.
O Aymoré equilibrou o jogo na 2ª etapa. Com muita garra e disposição, o zagueiro Ozéias fez o gol de empate. Aliás, um gol de bela feitura, encobrindo ao goleiro Plegi. No final, Filipin ampliou para o Cometa, decretando a vitória de 2x1 e a desclassificação do índio local.
Formaram as equipes com:
Cometa: Plegi; Marangon, Rocha, Wagner e Daniel; Júnior, Vini, Nego e Vítor; Tiago W.,  e Denílson.
Aymoré: Maicon(Feio);  Mateus, Klever, Ozéias e Leo; Assis, Ronaldo, Castelhano e Pablo; Natan e Lucas.

Estão classificados, portanto, as equipes do Juventus AC de Santa Rosa na categoria mirim e Cometa de Panambi na categoria infantil à final do dia 09.06.2012 na Taba Índia giruaense.

sábado, 26 de maio de 2012

Histórias do futsal


FUTSAL EM SANTA ROSA (2)

 

MONTESE

 João Jayme Araujo
jjaraujo23@hotmail.com


Na matéria anterior, contamos um pouco do início do futsal em Santa Rosa. Aos poucos vamos, a conta gotas, postar  matérias com registros fotográficos, sobre times e fatos que marcaram a história do futsal da nossa terra. O momento é do MONTESE.

Um pouco de história: O município de Montese ocupa uma vasta área de colinas que faz fronteira com as Províncias de Modena e Bolonha, na Itália.
As tropas alemãs encontravam-se na posse da região de Montese, em posição dominante sobre uma extensa área de colinas,.
A queda de Montese era o principal objetivo da 2ª Cia. do 1º Btl/11º RI: . tinha sido planejada para ser executada em duas fases: Ao cair na noite do dia 14 de abril, as posições na encosta da cidade estavam consolidadas, ficando um saldo de alguns alemães mortos e oito prisioneiros; do lado da FEB houve um morto e três feridos. Embora com as posições consolidadas, à noite, os alemães desencadearam um forte bombardeiro de artilharia com cerca de 2.800 tiros.
Na manhã do dia 15, ainda com a artilharia alemã castigando a cidade, as tropas brasileiras ultimaram a limpeza da cidade. Com um saldo de oito  Alemães  feitos prisioneiros, do lado   Brasileiro,  quatro baixas, sendo um morto e três feridos.
A conquista de Montese repercutiu favoravelmente nos altos escalões e mereceu elogios do Comando Americano, pela bravura e coragem com que a  FEB  encarou o desafio.
Marcou significativamente o início da Ofensiva da Primavera. Somadas às vitórias obtidas pelos Aliados em Vergato, Tole, Monte Mosca, Monte Pero, Monte Sole, Monterumici e Monte Adone, essa façanha militar brasileira contribuiu, decisivamente, para o completo desmantelamento do dispositivo alemão e o fim da II Guerra Mundial menos de um mês mais tarde.
Essa a parte histórica. O excelente desempenho dos pracinhas da FEB na tomada dessa zona da Itália, deu nome ao clube dos sargentos de Santa Rosa

Agora, vamos ao Montese Futsal em Santa Rosa.

 Equipe do Montese, entre outros, estão: Júlio, Pydd, Soares, Luiz Pereira(Presidente), Romalino, Orlando, Lazzaretti e Juarez.

Penso ter sido no 1º Regimento de Cavalaria Motorizado, numa quadra improvisada, de terra, revestida de cascalho, que era varrido para os jogos, aconteceram as primeiras partidas de futebol de salão na nossa terra.
Como lá fora o início, o Montese foi um dos primeiros clubes da cidade, fundado pelo Sargento Juarez Assis dos Santos, tendo como presidente o Sargento Luiz Augusto Pereira (Luiz “Avião”).
O  Montese venceu os primeiros certames que disputou na cidade, graças, principalmente, a Jarbas Tonel, grande atleta, quiçá o maior da comuna. Jarbas e seus companheiros venciam, quase sempre, de goleada.

Num tributo de saudade desejo prestar, aqui,  uma homenagem ao Clesio Alar Motta Calil, um dos primeiros atletas do Montese.




 MONTESE – Desfile da Semana da Pátria – À frente, Luiz Augusto Pereira, tendo numa das mãos um troféu e na outra de mão dada com Hélcio Vacari dos Santos; Júlio Nunes, Vieira, Soares, Pydd,  Cléo Palmeira, Juarez e Romalino dentre outros.

Alberto  Volkmar Christensen santa-rosense dos primeiros que emigraram para a capital, lá foi atleta de futebol de salão, por 8 anos, além de dirigente de um clube representativo da Unidade militar em que servia, o Deposito Regional de Motomecanização, com destaque nesse esporte em Porto Alegre
.
Regressando a terra, para aqui servir ao Exército, foi escolhido treinador do Montese.  Nessas condições teve o dissabor de ver seu time sofrer alguns gols como este que aqui se retrata:


Partida do Montese levando um gol. Pydd (goleiro), surpreso, Júlio, de
cabeça baixa e Orlando indo buscar a bola na rede. Christensen, desolado, só observa.

A última formação do MONTESE que temos para registro não é a do time com Jarbas Tonel, que foi substituído por atletas esforçados e competentes que levaram seu nome para memoráveis apresentações. 


MONTESE - Luiz Augusto Pereira – Presidente, Airton, Saul Liberalli,
Juarez, Soares, Orlando e  Alberto Volkmar Christensen (Técnico). Cléo Palmeira, Pydd, Romalino e Júlio.

Com destaque no futsal da cidade, foi campeão em duas oportunidades.

Próximo: O futsal do Alvorada. Campeão dos anos 60. Aguarde....

domingo, 20 de maio de 2012

História do Futsal

FUTSAL EM SANTA ROSA (1)

Olá, amigos!  Estamos abrindo espaço para resgatar a história desse esporte na nossa cidade. Desde a época romantica do futebol de salão ao moderno futsal, agora com outras regras. A pesquisa é uma obra do nosso voluntário pesquisador João Jayme Araújo, que associado a outros abnegados desportistas,  que por horas de dedicação,  traz diante de nós, registros históricos e fotográficos da época. Para os que vivenciaram aqueles momentos, é uma forma de revivar a memória com belas lembranças  e para os mais jovens  o conhecimento de uma época em que este esporte era praticado por outras regras  e por isso ser reverenciado. Um agradecimento a todos os que se empenharam nesse trabalho. Vamos lá, então!



HISTÓRICO

                                                                                   João Jayme Araujo
                                                                               jjgaucho23@hotmail.com


O Futebol de Salão, como esporte no Brasil, teria vindo através  da Associação Cristã de Moços – ACM – chegando até nós graças a seu inventor   na América do Sul, JUAN CARLOS CERIANI GAVIER, da ACM de Montevidéu, que o fundou em 1940 e deu-lhe o nome de “Indoor Foot Ball”.

No Brasil a partir de 1950, oriundo de São Paulo.

Em Santa Rosa, penso ter sido no 1º Regimento de Cavalaria Motorizado, nessa década, numa competição entre cabos e soldados dos Esquadrões, sob a supervisão do Capitão CARLOS ALBERTO MAZERON que era o Oficial de Esportes da Unidade.

O campo, uma nesga de terra junto à quadra principal de esportes, utilizada para Oficias e Sargentos praticarem  basquete e voleibol.


João Paulo Vielmo, Ademar Braun (Fuminho), Meneghini, Cleóbis, Jarbas Tonel e Werner Feuerharmel.

LIMINHA
É como chamam carinhosamente O COLÉGIO SANTA ROSA DE LIMA, os alunos que por lá estudaram, seus familiares e contemporâneos.
Se o Liminha destacava-se como estabelecimento de ensino, também lá, desde os tempos idos, quando era professor de educação física o Sargento Odilon Peres Rodrigues, praticava-se toda a série de iniciação aos esportes
E com o futebol de salão, quando de sua implantação foi criado o LIMINHA.


Campeonato do SESI: Aramis Beltrame, dono e principal jogador-artilheiro do ATLAS.

Foi ali a origem do Junior ATLAS, o pioneiro, junto com o Montese.
A primeira equipe do ATLAS era assim formada: Beiço (Newton Cardoso), Aramis Beltrame, Cleobis Araujo, Neto, os fundadores.

As partidas eram com adversários vários, dentre times que se iniciavam na prática do novo esporte.
Como data marcante a viagem a Três de Maio, por ocasião da inauguração da cancha esportiva da cidade, situada na praça principal. 

Na década de 60, quando vinha a Santa Rosa, em férias, certa vez encontrei a cidade em polvorosa.
O centro de atenções um Ginásio de Esportes no pátio interno de onde fora a Prefeitura Municipal, junto à Praça da Independência.

Para elaborar esta pesquisa socorreram-me muitos daqueles que eram os astros dos espetáculos, tais como: ARAMIS BELTRAME, ALBERTO VOLKMAR CHRISTENSEN, JUAREZ ASSIS DOS SANTOS, GEOVÁ MILLER, MILTON HARWEI SCHWERTZ, CHICO SCHMORANTZ, DARCY E CHICO CAPELLARI, CARLOS BERTA, GERSON E CHICO SILVEIRA, CLEÓBIS JOSÉ ARAUJO, RAUL MENEGUINI, PAULO HEITOR FERNANDES e, especialmente, OSCAR WARTH NETO.

As primeiras equipes teriam sido JUNIOR ATLAS, MONTESE e UNIÃO, agremiação esta fundada por  LITON LANES PILAU.






Na foto acima: Aquiles Puntel, Lineu Pilau e Oscar. 
Na foto abaixo: Lineun Pilau, fundador e Oscar, melhor jogador

Os jogos passaram a ser disputados  na cancha de vôlei e basquete do Regimento, adaptada para esse fim.
A bola era de couro refratário, sem câmara e seu interior de crina de cavalo.


MONTESE: dentre outros: Julio, Pydd, Soares, Pydd eLuiz Pereira (presidente) .Agachados: Romalino,Orlando, Lazzaretti e Juarez.

Consta que os dois primeiros campeonatos em 1962 e 1963, foram vencidos pelo MONTESE, time dos Sargentos do 1º R.C.M. reforçado por Jarbas Tonel, seguramente o melhor jogador que nasceu em Santa Rosa, quando este foi prestar o serviço militar.
A equipe era formada, até então, somente por Sargentos.

Não foi difícil aceitarem o Jarbas para integrá-la e ser o seu astro.
Possuía um chute violentíssimo fazendo com que as equipes adversárias não tivessem a mínima chance.

Jogando contra o UNIÃO de Liton Lanes Pilau, no qual atuavam, dentre
outros, Seco Puntel, Oscar Warth Neto, chegou a fazer uns 12 dos  15 a 0.

Os Sargentos eram: Juarez, Cléo Palmeira, Romalino, Pydd, e Júlio. Imbatíveis.

Quando foi fundada a Liga os times participantes do campeonato foram, 
MONTESE, integrado por Sargentos da Unidade Militar Federal.

JUNIOR’S ATLAS, fundado por Aramis Beltrame (Rato), Newton Cardoso (Beiço) e Luiz Beltrame (Canha).
Compunham a equipe: Newton Cardoso (Beiço), Luiz Beltrame (Canha), Adão Rosa, Neto Seger, Aramis, Pelé, Oscar e Cleóobis.


Brasil: Em pé: Gerson Silveira, Aquiles Puntel, Manjabosco, Pelezinho, Gilberto Rosa, Carlos Fortes(...) e Luiz Estevão. Agachados: Budzinski, Neto, Aramis e Pedrolo.

BRASIL, criado por GERSON SILVEIRA.
Co-fundadores: Rudi Mater, Wilmar Birmann, Carlos Berta, Waldir Manjabosco, Carlinhos Rodrigues, Nestor Casagrande,
Manja, Aramis, Neto e Oscar.
Foi campeão em 1966.

ALVORADA – Clube integrado por Cabos e Soldados do 1º RCM.
Foi adotado pelo capitão Davis e depois teve como Presidente o Major Léo Francisco Francischini que convidou um estagiário Cleobis José Araújo, para fazer parte da equipe.

Flâmula do Alvorada

Sob o comando do Sargento Alberto Volkmar Christensen, conquistou os campeonatos de1964 e 1965, com  este elenco: Milton, Oscar, Bamberg, Roni, Lelias, Vanilson, Amauri, Berilo, Taffarel, Rosa e Kiminski. 


WALLIG 2 x REAL 2 - Decio, Rosa, Aquiles, Pessato, Adaltro, Beto, Rosa, (irmãos),  Mauro e Carlos Berta (treinador). Agachados:  Espindola (massagista), Preto, Rui, Formiga, Oscar e  Aramis.

O REAL Clube dos 7, teve como modelo um clube de São Paulo.
Gerson Silveira, seu fundador, convidou para integrarem a nova equipe: Carlinhos Berta, Puntel, Nego Jorge, um irmão do Pelé, Udo, Olívio Casale, Rodrigues e Rudi Matter.


De pé: Helio, Roni, Darci, Toco, Gordo e Sarará.Agachados: Geovani Grizoti, Zé Aguiar, Varguinhas, Chico e  Gentil..

PALMEIRAS 
Chamado carinhosamente de PALMEIRINHA, fundado a 24.12.60 pelo professor João Lencina de Toledo.
Eram seus  atletas Hélio, Roni, Darci, Toco, Gordo, Sarará, Geovani Grizoti, Zé Aguiar, Varguinhas, Chico e  Gentil.


TIJUCA

 A Fundação do TIJUCA  deve ter ocorrido em 1970.

.
 TIJUCA - Em pé Protasio (Preto), Luiz Estevão, Chico, Bibi,Geraldo Rosa, Grifu, Alberi Flores e Carlinhos.Agachados: Vital Parise, Talvani, Negão Castilho,Zé Gago e Milton Schwerz..

Além do campeonato municipal, disputou o Estadual.
Sua sede social era na  Av. Borges de Medeiros,  cujo local servia de residência para o conhecido CAIEIRA a quem a sede fora cedida em troca de ajuda ao time, para que  pudesse explorar jogos de carteado .

Dentre os jogadores que se destacaram vamos encontrar Talvani Abreu, Neri Grifu, Chico Capellari, Vital Parise, George Vargas (Jóia) e Negão Castilhos, alguns retratados acima.

SANTOS


SANTOS (foto acima) Pouco se conseguiu sobre esta agremiação, mas num jornal da época constou a noticia abaixo:

Além desses houve o ESPERANÇA que tinha como dirigente máximo ANTONIO CARLOS BORGES, elemento de destaque na sociedade local.
Por ironia do destino vez que era cardíaco, talvez tivesse esperança de recuperação ou cura, o que, infelizmente,  não aconteceu.

Iniciou-se com presidente da Uses, sendo, depois, prefeito e deputado estadual.

DESTAQUES DO ANO
1962 – Jarbas Tonel – Montese
1963 – Aramis Beltrame – Atlas
1964 – Aramis Beltrame – Atlas
1965 – Ivanir Taffarel  -  Alvorada
1966 – Neto Seger.
1967 – Chico Cappellari.
1968 – Adão Rosa, Budzinski, Gordo, Jóia e Rui.
1969 – Oscar.
1970 – Neri Grifu.

CAMPEÕES
1962 – Montese
1963 – Montese
1964 – Alvorada
1965 – Alvorada
1966 – Brasil
1967 – Real
1968 – Real
1969 – Real

“ O REAL nos três anos em que foi campeão (1967/1969, teve como presidente o Dr. Adil  Antonio Albrecht e treinado por  P.H. Fernandes.
Gerson Silveira era presidente de honra e diretor de futebol.
Em 1969 o diretor de futebol foi Geová Muller.” ( PhF).


Assim, em rápidas pinceladas, visamos avivar a memória de alguns e dar conhecimento para muitos, o que se passava no Futebol de Salão de nossa terra, na década de 60.

Continuaremos no assunto dando relevo individualmente, aos clubes que fizeram essa história.   Aguarde!



sábado, 19 de maio de 2012

HOMENAGEM

 JUVENTUS CAMPEÃO ITALIANO


Homenagem ao nosso co-irmão italiano, Juventus de Turim, pela conquista do campeonato italiano de futebol.  Parabéns  a La Vecchia Signora.

sábado, 12 de maio de 2012

Atlético Bancários Clube

                                  ABC
ATLÉTICO BANCÁRIOS  CLUBE
João Jayme Araujo
jjgaucho23@hotmail.com

Na década de 50, os times da cidade, tinham em suas respectivas equipes, jogadores que trabalhavam como bancários. A primeira lembrança dessa agremiação vem do ano de 1956.
Reuniram-se para disputarem uma partida de futebol em festa de confraternização, para comemorar o DIA DO BANCÁRIO.

Segundo João Carlos Bircke, integrante da primeira formação da equipe, o BANCARIOS foi concebido e criado para comemorar o dia consagrado à classe e a fim de realização de eventuais amistosos.



A foto que teria sido a primeira, de pé: Brasilio Severo, Olavo Leusin,(Kluge ?) Julio Morales, Olivio Stocker, Toni Macluf, Sadi Cappellari, Bircke, João Manoel, Osowski, (...) e Neri Cappellari.

A segunda, pelos componentes do grupo abaixo. Em destaque, ao fundo, o pavilhão do campo da Baixada.


 Entre  1958/1960, veio trabalhar no Banco do Brasil, Carlos Queiroz de Castro, que atuava num time de várzea de grande nome no bairro de Petrópolis, o BAGÉ, em Porto Alegre,
Teve a idéia de constituir uma equipe permanente para amistosos em Santa Rosa e comunidades vizinhas.  .
Aqui fez parte, possivelmente, da que seria a terceira equipe.
 

Já com novas caras, seria o time que excursionou a Argentina, segundo relato de FRANCISCO BARBOSA QUEIROZ, funcionário graduado do Banco do Brasil, em crônica a parte. 



 O ultimo registro que se tem é da turma de 1960. Disputou o campeonato da cidade nos anos de 1960 e 1961.
À época, existiam cinco times: Aliança, Paladino, Bancários, Sepé Tiarajú e um de Cruzeiro, o Juventude, que tinha os irmãos Plínio e Jarbas Tonel e Ivanir Taffarel.


 
Na foto acima aparecem, em pé: Luiz Cappellari (treinador), Numeraldo, João Manoel, Wilmar Birmann, Rubem Maicá, Reinery, Sfoggia (Antonio Carlos Sfogia Nunes) e Jaques (Presidente). Agachados: Fernando, Charles, Mauro, Neri e Oldemar (Parafuso).

Creiam que não foi tarefa fácil reproduzir os passos do BANCARIOS, mesmo porque, muitos dos atletas integrantes das equipes, lembram que jogaram, mas, dados históricos são poucos.
 

BANCÁRIOS

                                                       por Francisco Barbosa Queiroz


A Associação foi fundada em 1956 com o objetivo de confraternização da classe, cultural, social e esportivamente.
Surgiu assim a equipe de football o BANCÁRIO, formado por atletas que  atuavam nas  principais equipes de Santa Rosa: Paladino, Juventus e Aliança.
 Atletas de 1958 e seus clubes: Banco do Brasil (Caio, Chico, Bircke e Délcio), Banrisul (Julio, Mauro, Cabeça), Banco Agricola Mercantil (Jambalaia, Cond); Banmércio (Luis, Neri). Julio Morales era Presidente.
O Bancário não filiado a liga local, mas, realizou vários encontros amistosos com os clubes da Liga citadina.
Os grandes momentos do BANCÁRIO ocorreram nos jogos realizados com a Associação dos Funcionários do Banco de La Nacion-Argentina  com sede em Posadas, capital da Província de Misiones.
Em maio de 1958, a convite daquela Associação nossa Delegação partiu de Santa Rosa, com destino a Posadas, onde participou ativamente do ‘ Dia de La Pátria” , referente às comemorações da Independência da República Argentina.
Viajamos em confortável ônibus até Porto Mauá. Começava a chover. A travessia do rio Uruguai ocorreu em canoas (chalanas) , movidas a remo e que acomodavam mais ou menos 25 a 30 pessoas e bagagens.
Admirados com a perícia do canoeiro e a beleza daquele rio  - cheio de tradição para as duas Missões – não percebíamos o risco que corríamos,  sem salva vidas, homens e mulheres.
 Dois casais desistiram da travessia e retornaram a Santa Rosa.
Realizado a travessia do rio Uruguai tivemos a primeira e única decepção pois fomos acomodados em 2 pequenos ônibus e muito antigos e com estradas quase intransitáveis com violento temporal mal pudemos chegar a Oberá.
 Mas se a parada foi imprevisível, a estadia em OBERÁ foi magnífica.
Fomos acomodados na sede da Associação dos funcionários do Banco de La Nacion, ampla e de máximo conforto.
Na realidade a parada em Oberá proporcionou-nos momentos de intensa confraternização cultural e artísticas, não faltando declamações, tangos, trovas e músicas gauchescas, durante o magnífico “assado”.
O encontro só terminou quando os artistas sucumbiram em razão da Quilmes e outros tragos.
Sòmente no sábado chegamos a Posadas, viajando em excelente BUS, em carreteira com melhores condições.
A recepção em Posadas foi carinhosa por parte dos funcionários do Banco de La Nacion e éramos saudados por onde passávamos até a chegada da Delegação no Hotel Plaza.
À noite, após magnífico jantar, no próprio Hotel, nova noitada, sob o som de uma “ orquestra típica”  muito tangos, milongas, sambas, tudo impulsionado por, vinhos, cerveza e outros “energisantes” .
Durou até 4 horas da matina. Pobre do chefe da Delegação, acordado às 6horas, e que foi levado a discursar junto ao monumento Gal San Martin, em praça pública com 1 graú de temperatura.
Ao meio dia, o grande “asssado”de confraternização, com a presença dos funcionários do Banco de La Nacion, seus familiares  e autoridade locais e diplomáticas.
Finalmente, à tarde, o grande e esperado encontro futebolístico entre o Bancário de Santa Rosa e Associação dos funcionários do Banco de La Nacion de Posadas, ponto culminante d a Confraternização
Com bom público, a contenda apresentou o resultado de 4x4, com virada da Associação argentina que perdia ao final do primeiro tempo por 4x0. A sensacional reação foi comandada pelo “enxerto”que ingressou no tempo complementar, nada menos que Cucchiaroni titular da seleção argentina na época.
O Regresso do bancário ocorreu na 2ª. Feira, normalmente e, felizmente sem chuvas.
A revanche ocorreu em outubro de 1958, em Santa Rosa, com homenagens e retribuição compatível a recebida em Posadas. Ocorreu novo 4x4, com virada brasileira. E não houve marmelada.

Série A/2

CAMPANHA DO JUVENTUS ATLÉTICO CLUBE NA SÉRIE A2. 2012
CHAVE 2
PRIMEIRA FASE/PRIMEIRO TURNO

- DIA 4 DE MARÇO – PANAMBI 1 X  0 JUVENTUS – 16HS. (domingo)
- DIA 7 DE MARÇO – JUVENTUS 0 X 0 UNIÃO FREDERIQUENSE – 20HS. (quarta)
- DIA 11 DE MARÇO – MILAN (JULHO DE CASTILHOS) 1 X 1 JUVENTUS – 16HS. (domingo) Gol de Lucas
- DIA 14 DE MARÇO – JUVENTUS 1 X  1 PASSO FUNDO – 20HS. (quarta) Gol de Cinval
- DIA 18 DE MARÇO – SAPUCAIENSE 3 X  0 JUVENTUS – 16HS. (domingo)
- DIA 21 DE MARÇO – JUVENTUS  0 X  0 ESPORTIVO – 20HS. (quarta)
- DIA 25 DE MARÇO – JUVENTUS 1 X 1  BRASIL DE FARROUPILHA – 16HS. (domingo) Gol de Leandro Rodrigues.
- DIA 28 DE MARÇO – GLÓRIA 3 X  0 JUVENTUS – 20HS. (quarta)
- DIA 01 DE ABRIL – JUVENTUS  1 X  3 SER SANTO ÂNGELO – 19HS (domingo) Gol de Daril

PRIMEIRA FASE/SEGUNDO TURNO

- DIA 08 DE ABRIL – SER SANTO ANGELO 0 X  1 JUVENTUS – 16HS (domingo) Gol de Mano Garcia
- DIA 11 DE ABRIL – JUVENTUS 1 X 3 GLÓRIA – 20HS (quarta) Gol de Mano Garcia
- DIA 16 DE ABRIL – BRASIL DE FARROUPILHA 3 X  0 JUVENTUS – 16HS (domingo)
- DIA 18 DE ABRIL – ESPORTIVO 2 X  1 JUVENTUS – 20HS (quarta) Gol de Tatto
- DIA 22 DE ABRIL – JUVENTUS 1 X 0 SAPUCAIENSE – 16HS (domingo) Gol de Adriano Paulista
- DIA 25 DE ABRIL – PASSO FUNDO 4 X 1  JUVENTUS – 20HS (quarta) Gol de Adriano Paulista
- DIA 29 DE ABRIL – JUVENTUS 2 X 1  MILAN – 110;15HS (domingo) Gols de Matheus e Cristiano
- DIA 02 DE MAIO – UNIÃO FREDERIQUENSE 1 X  1 JUVENTUS – 15:30HS (terça). Gol de Cristiano
- DIA 06 DE MAIO – JUVENTUS  4 X 1 PANAMBI – 15;30HS (domingo). Gols de Matheus 2, Tatto e Diego Eli.

Goleadores: Matheus 3, Mano Garcia 2, Adriano Paulista 2, Cristiano 2, Tatto2, Daril, Leandro Rodrigues, Cinval, Diego Eli  e Lucas com 1  cada.

Resumo: Vitórias: 4 – Empates: 6 – Derrotas: 8 – Gols Pró: 16 – Gols Contra:  28 e  Saldo: (-) 12.

Jogadores que atuaram no campeonato:

Goleiros: Luciano e Thales.
Laterais; Eduardo, Cleber Sonda, Wiliam Gonçalves, Tainá, Marcio Oliveira e Tatto.
Zagueiros: Fabio Vidal, Cristiano, Leandro Magrão, Japa e Felipe Vizzotto.
Volantes: Daril, Wiliam Bonés, Diego Eli e Diego Salini
Meias: Vandré, Renan, Cinval, Alemão, João Eleno, Rodrigo Magalhães e Adriano Paulista.
Atacantes: Lucas, Leandro Rodrigues, Matheus, Mano Garcia, Davidson e Cassiano.

Comissão Técnica:
Técnicos: Paulo Henrique, Leco e Marcelo Baron.
Preparador Físico: Adriane Padilha
Auxiliares de Preparação: Paulo Selau e Julio C. Gutierres
Preparador de goleiros: Dion dos Santos
Massagista: Joel Fernandes
Roupeiros: Luis Fernando (Seco) e Eloar  Fernandes
Diretor de Futebol: Marcos Knorst

domingo, 6 de maio de 2012

Homenagem

JUVENTUS AC PERDE UM DE SEUS FUNDADORES

Faleceu em Porto Alegre, o visionário SEVERINO 

GRECHI



Faleceu em 6 de maio de 2012, em Porto Alegre, um dos fundadores e presidente do Juventus Atlético Clube. 
Quem foi Severino Grechi:
Apareceu em Santa Rosa para prestar o serviço militar obrigatório.
Hospedava-se no Hotel da família  Mantay, onde, também, o fazia Célio Osório Coimbra, o primeiro locutor da Rádio Sulina, por ocasião de sua inauguração.
Começou a aparecer na Rádio quando então se soube particularidades de sua vida.
Descendente de família não abastada, mesmo assim, naquela época, estudou em Porto Alegre, num dos estabelecimentos mais destacados do Estado - o IPA.
Por não ter meios para custear sua instrução, fazia o pagamento da anuidade com esforço próprio, lavando pratos após as refeições do alunato.
Com a instrução amealhada e por ser inteligente e atilado, logo, ao  “ dar baixa” passou a desempenhar as funções de redator na emissora.
De redator  para criador de programas foi um pulo.
Passou pelo Departamento Comercial e como portador de uma visão de futuro, programou  um concurso para a Rainha do Rádio.
Santa Rosa era o município mãe,(?)  mas, todos os distritos de então, tais como,  Horizontina, Três de Maio, Tucunduva, Tuparendi, Santo Cristo, Porto Mauá, Porto Lucena e outros, aderiram..  
Através de suas lojas comerciais se engajaram e, tendo cada distrito  sua candidata,  como o voto era dado através de comprovantes de aquisição de produtos, ganharam o comércio, a rádio e todas as comunidades envolvidas.
Se bem me lembro, a candidata escolhida se não pela votação própria, por um júri para tal formado, foi Odete Hecke representante de Horizontina.  
 Consta que em suas campanhas promocionais junto ao comércio e indústria SEVERINO GRECHI teria sido o criador do sistema que Silvio Santos implantou no Brasil inteiro como o BAU DA FELICIDADE, distribuindo prêmios aos que aderiam.
Deixando as atividades radiofônicas direcionou para outras diversas as quais arrancavam  como um tufão, mais, depois, o negócio ficava mermando... mermando, como dizia um grande amigo meu.
Fundou uma revista O TATU, direcionada para o ramo da agricultura, mas tendo como concorrente A GRANJA, apesar da receptividade que conseguiu, não logrou sobreviver.
Adepto incondicional da leitura, num dos arroubos próprios adquiriu os livros que restaram da Livraria da D. Vila Mantovani  exemplares que destinou para um de seus netos que conserva, como herança o gosto pela cultura.
Católico por convicção, nos últimos tempos, levantava de madrugada para o chimarrão e assistir a santa missa pela REDE VIDA.
Como fora um homem de múltipla atividade e que esteve  a frente de vários empreendimentos inovadores, como legítimo VISIONÁRIO, perguntei-lhe ao visitá-lo numa casa geriátrica:
Grechi!  - Tu que estiveste em tantas empreitadas qual a que mais te gratificou? O que mais lembras?
Ele mirou-me nos olhos e balbuciou:
... VIVER. 
                                                                           
SEVERINO GRECHI, em 22 de abril de 1951, deu entrada no Cartório local, para registro, o Estatuto do Juventus Atlético Clube, no livro de Pessoas Jurídicas de nº A-1, a folha 118, do dia 19 de julho de 1953, sendo que no dia 20 de abril do mesmo ano foi publicado do Diário Oficial do Estado o Extrato do Estatuto do clube.

Em pé, da esquerda para a direita: Miguel Pinto, Darci Zoehler(Nique), Flávio MaMachado, Júlio Pinto Silva, Prof; Albino Werlang, Adroaldo Liberali e Severino Grechi(Presidente)
Agachados: Alceu Mallmann, Luiz Cappellari, Lauro Fenner, Ivo Stein e Jaime Mantovani.

Por João Jayme Araújo
e-mail: jjgaucho23@hotmail.com

sábado, 5 de maio de 2012

Série A2

Na moral, Juventus goleia a SER Panambi.


A SER Panambi chegou a Santa Rosa, para vencer o Juventus e obter a classificação. O tricolor santa-rosense não tinha nada a perder. Mas, foi por aí que o Panambi se deu mal. Na moral e mostrando o orgulho de vestir a camisa, a equipe tricolor não tomou conhecimento das pretensões adversárias. Os poucos e abnegados torcedores presentes viram um grande jogo e logo aos 7 minutos Matheus alça a bola na área e Diego Eli, numa bela cabeçada, vence o goleiro alvi-verde: 1 a 0. Melhor durante todo o primeiro tempo, aos 45, Tatto bate uma falta da direita, rasteiro, o goleiro panambiense falha e amplia para 2 a 0.
Na segunda etapa, esperava-se uma reação do Panambi, mas não foi o que aconteceu. A goleada ficou prevista, pois o Juventus demonstrava-se bem superior, tinha a posse de bola e atacava com perigo. Até que Matheus fez o 3º aos 14 e o 4º aos 36. O zagueiro Faccin descontou nos acréscimos. Final: 4 a 1. Com esta goleada, o Juventus encerrou sua participação no campeonato da Divisão de Acesso 2012.

FICHA DO JOGO

JUVENTUS 4 X 1 PANAMBI
Data: 05/05/2012. Local: Estádio Carlos Denardin,Santa Rosa/RS. Horário 15h30min.
Juventus: Luciano: Wiliam Gonçalves, Leandro Magrão, Cristiano( Vizzotto aos 45/1º, Cristiano saiu lesionado) e Japa: Diego Eli, Wiliam Bones e Tatto: João Eleno(Cinval aos 18/2º), Matheus e Lucas(Cassiano aos37/2º). Técnico: Marcelo Baron.
Panambi: Daniel: Du, Faccin, João Carlos e Jonatã: Aleson, Toto e Renato(Dario aos 17/2 ): Cleberson, Adão (Cristiano aos 17/2º) e André Tereza(Jean aos 7/2º). Técnico: Vítor Hugo Zancanaro.
Gols: Diego Eli aos 7 e Tatto aos 45 ambos do Juventus na 1ª etapa. Matheus aos 14 e aos 36 para o Juventus e Faccin aos 45 descontou para o Panambi.
Arbitragem: Marcos Antônio Sacon, auxiliado por Jonas André Carls e Gederson Vinicio Foletto.
Cartões amarelos: Wiliam Bones(J) aos 13/2º.
Cartões vermelhos; Vizzoto(J) e João Carlos(P) aos 52 da 1ª etapa, por troca de agressões na área do Panambi.
Marcelo Baron é o cara.
Justiça seja feita. Baron foi o terceiro técnico do Juventus na temporada. O primeiro, Paulo Henrique, montou o gr upo de atletas e não conseguiu montar um time e dar um padrão de jogo. Muito jogadores lesionados e com poucas perspectivas. Iniciou mal e não consequiu fazer com que o time reabilita-se no campeonato. Nem Leco, que o substituiu , conseguiu dar um padrão de jogo e foi embora. A solução estava em casa. Mas, o Juventus não tinha mais condições, se quer de permanecer, na Divisão de Acesso. Já estava rebaixado. Mesmo assim, Marcelo Baron, deu outro ritmo aos treinos e aos jogos e de um total de cinco partidas, venceu tres, empatou uma e apenas uma derrota. No seu comando o time marcou nove e sofreu sete. Um bom retrospecto, resultado de seu empenho e de seu método de trabalho aplicado ao grupo.

O que será da qui para frente? Não sabemos? Avaliações deverão ser feitas. Aguardamos a posição da direção juventina e de como será até o final da temporada de 2012.

Classificação Final Chave 2

1º Esportivo - 34 pontos
2º Passo Fundo - 32
3º Glória - 29
4º Santo Angelo - 29
5º Brasil-Fa - 28
6º União - 27
7º Panambi - 24
8º Sapucaiense - 18
9º Juventus - 18
10º Milan - 14

Classificaram para a próxima fase: Esportivo, Passo Fundo, Glória, Santo Angelo, Brasil-Fa e União. Panambi não classificou mas permanece na Divisão de Acesso para 2013. Os rebaixados são: Sapucaiense, Juventus e Milan.

Amigo Milton, de Giruá.

O Juventus escapou da lanterna, já que o Milan foi derrotado pela SER Santo Angelo por 1x0. O  Sapucaiense também ganhou e ficou  na frente do Juventus.   Milton, via e-mail:  Foi com muito denodo, aplicação, vontade, raça, determinação, etc que os atletas do JAC encerraram este triste episódio, mas ficou a esperança de um 2013 auspicioso.
Sabemos que criticar e comentar é muito mais fácil; difícil é fazer futebol, quanto mais ainda nada dar certo.
Não sabemos ao certo apontar culpados, mas creio que a direção juventina está um tanto isenta, pois foi errando que tentou acertar.
Parabéns aos atletas e  ao Marcelo Baron por essa rápida recuperação, mesmo que tardia. Mílton Harvey Schwerz.

quinta-feira, 3 de maio de 2012

SANTOS 100 Anos: Eu vi aquele time do Pelé jogar.

                                                                                            Por Milton H. Schwerz

Era férias de inverno de 1961.  Iam para Porto Alegre os primos, Egon Valter Schwerz(11 anos) e Milton Harvey Schwerz(14 anos), até a casa de Lauro Daubermann e esposa Isolde, tios de Egon e primos do Milton, passar alguns dias com o casal, moradores da rua Cristóvão Colombo no centro  de Porto Alegre.
Foram de 'pullmann', da Ouro & Prata, assim eram denominados os ônibus dessa empresa, pois na carroceria aparecia o nome do fabricante.
Na viagem, paramos ao almoço em Soledade. Várias pessoas ficavam deslumbradas, pois dois garotinhos viajavam sozinhos, um cabeça preta e outro de cabeça branca (cabelos). Foram servidos e sentados tranqüilos ao almoço, como se fossem gente grande. Senhoras com seus filhos pequenos vinham conversar conosco.
Chegamos a Porto Alegre, eram 19 horas e 30 minutos. Saindo de Santa Rosa às 5 horas.  Levamos 14 horas e meia de viagem. Hoje se leva 7 horas de ônibus e de auto faz-se em 6 horas.
Como o casal anfitrião tinha um filho de cabelos ruivos, em torno de uns 7 anos, imagine a Isolde saindo com 3 'filhos', cada um com cabelos de uma cor. Nas lojas, as atendentes vinham bater um papo conosco e ficavam admiradas. Perguntavam de onde a gente era e eu, o mais velho, tinha que dar as devidas explicações. Quantos sorvetes a gente tomou e outras guloseimas que a tia Isolde nos fornecia. Lembro-me do primeiro almoço na moradia deles. Ela preparou alguns pratos e no de arroz introduziu umas lindas ervilhas. Na hora de comer, o Egon e o Milton colocavam as ervilhas de lado. Imagine o constrangimento da querida tia Isolde, pois as duas figuras não gostavam do cereal.
Jogávamos bola na calçada da rua Cristóvão Colombo, de pés descalços, como éramos acostumados a jogar em Cruzeiro(Santa Rosa). Eles moravam no início da rua, isto é, na primeira quadra. Acabamos queimando a sola dos pés. Mais de um mês depois, jogando num gramado de Cruzeiro, levei tremendo susto, pois todo o couro do solado saiu, imaginando como iria caminhar. Mas acima desse velho couro, já havia regenerado outro. Ufa!
Mas, o mais gostoso da viagem, foi quando Lauro, num certo meio-dia, mostrou-nos ingressos para o jogo Grêmio x Santos, pela Taça do Brasil de 1961. Era a mesma competição de hoje, a Copa do Brasil. Um jogo em casa e outro fora, só não havia o gol qualificado fora do seu domínio.
Lá fomos nós, em torno das 17horas e meia, ao Estádio Olímpico, sendo que o jogo iniciava pelas 21 horas. Conseguimos um bom lugar, central das arquibancadas. Foi um momento inesquecível para nós dois interioranos.
Pelo lado do Grêmio estavam o goleiro Alberto, zagueiro Airton, lateral Ortunho, volante Elton, meia Milton Kuelle, atacante Lumunba, meia Gessy, ponta vieira, zagueiro  Ênio  Rodrigues.
Pelo Santos - Gilmar, Mauro, Zito, Mengálvio, Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe, que se tornariam campeões mundiais naquele ano e bi em 1962, uma verdadeira máquina de jogar futebol.
Vimos a famosa tabela área de Pelé com Coutinho. Um Gilmar seguro no gol.
O Grêmio saiu na frente, jogada pela ponta esquerda, com Paulo Lumumba, desferindo uma bomba de pé esquerda, no ângulo superior de Gilmar, batendo ainda no travessão e entrando. Foi uma loucura nas arquibancadas, sair na frente e com um gol espírita.
Depois o Santos mostrou porque seria campeão mundial daquele ano. Venceu por 3x1, lembro que Pelé marcou um gol, mas não lembro mais dos outros dois.
Faz só 51 anos que isso ocorreu. Lembro da tabela que o Rei fazia nas canelas dos volantes e zagueiros do tricolor. Ele conduzia a bola, chutava na direção das pernas dos adversários e saia com ela dominada na frente. Lembro dos potentes chutes do Pepe, verdadeiros morteiros. Da lentidão do eficiente armador Mengálvio, que jogou no Aimoré e no Grêmio, antes de ir pro Santos. Da velocidade e habilidade de Dorval, ponteiro gaúcho, que jogou também no Grêmio.
Perdemos o jogo, mas, como espectadores, fizemos parte dessa linda história futebolística do fantástico esquadrão das praias santistas. Fomos privilegiados com um grande espetáculo, de um clube que assombrou o planeta, pois países das Américas e da Europa requisitavam esse fabuloso clube de futebol, a dar espetáculos. O Santos jogava no estrangeiro a cada dois dias. Era um absurdo o desgaste físico e também o dos deslocamentos aos países visitados.


Uma das formações do Santos em 1961. 
Em pé: Getílio, Zito, Formiga, Dalmo, Mauro e Laércio; 
                                     Agachados: Tite, Mengálvio, Dorval, Pelé e Pepe.
                                              (Foto: Blog http://celiopegoraro.blogspot.com)

terça-feira, 1 de maio de 2012

Série A2

 Juventus empata em Frederico Westphalen

 

 O União jogando em casa com o adversário rebaixado, paraceia obter uma fácil vitória. Não foi o que aconteceu. Desfalcado de Gabriel, por cartão, numa confusão, ainda teve o seu armador Adilson expulso aos 39/1º,  junto  em Diego Salini.
O tricolor de Santa Rosa, arrancou  um empate no Vermelhão da Colina, nesta quarta-feira, 1º de maio, Dia do Trabalhador. O um a um não ajudou muito, pois o time já está rebaixado para a Segunda Divisão de 2013. Apenas jogou por um bom resultado e conseguiu. 
O União saiu na frente com Ismael Gaúcho, aos 37 minutos do primeiro tempo. Após tentativa de chute a gol de Castiano, a bola sobrou para o atacante, que, da marca do pênalti, teve tempo de dominar e chutar no canto esquerdo do goleiro adversário, abrindo o placar.
O Juventus empatou a partida aos 12 minutos da segunda etapa. Após cobrança de escanteio, a bola chegou ao segundo poste e foi escorada por Matheus para Cristiano, o qual deu uma bonita "puxada", colocando para as redes.
O próximo compromisso do nosso representante será no Estádio Carlos Denardin no próximo sábado contra a SE Panambi, as 15 horas e 30 minutos.

FICHA TÉCNICA

UNIÃO FREDERIQUENSE 1 x 1 JUVENTUS
Local: Estádio Vermelhão da Colina (Frederico Westphalen-RS).Horário 15 horas e 30 minutos.
UNIÃO FREDERIQUENSE: Gilberto, Rony (André Gaúcho), Jésum, Mauricio e Castiano (Ganzer); Marquinhos, Willian Paulista, Douglas Rinaldi e Adilson; Ismael Gaúcho e Gilian (Tiago Matos). Técnico: Rodrigo Bandeira.
JUVENTUS: Luciano, Tainã (Willian Gonçalves), Leandro Magrão, Cristiano e Japa; Saline, Diego Eli, Willian Bones e Tatto; Matheus (Mano Garcia) e João Eleno. Técnico: Marcelo Baron. 
Arbitragem: Roger Luis Esswein, auxiliado por Jorge Eduardo Bernardi e Diego Hennemann Hemmig.
Gols: Ismael Gaúcho (U) e Cristiano (J). 
Cartões amarelos: Willian Paulista e Marquinhos (U); Saline, João Eleno e Diego Eli (J); 
Cartões Vermelhos: Adilson (U) e Saline (J). 

Fonte e Foto de André B. Piovesan - Folha do Noroeste e
 http://www.uniaofrederiquense.com.br/site/noticia/201