sábado, 24 de setembro de 2016

Futebol Amador

GUARANI DO LAJEADO PESSEGUEIRO COMEMORA 55 ANOS  DE FUTEBOL

Por Fernando Kronbauer

A localidade de Pessegueiro: situada na antiga estrada que ligava a então Colônia 14 de Julho com o resto do Estado, por volta de 1910, ali se instalaram as primeiras famílias, como: Moura, Maciel, Leal e Zorzan. A Colônia de Pessegueiro, se estabeleceu durante a construção da estrada para Boca da Picada (Giruá). Com a divisão dos lotes, chegaram as famílias Schumacher, Khun, Rauber, Loeblein, Schnorr, Sost, Ritt, Cerutti, Knack, Weber, Schneider e Baungartner. Com os imigrantes veio o comercio e a indústria, tornando Pessegueiro economicamente forte e próspero. Com a construção da ERS 344, ligando Santa Rosa- e Giruá, a estrada que ora era transitável, se tornou ligação secundária. Com o êxodo rural e a imigração de famílias para outras regiões e estados, o comercio que ali havia estabelecido, com ferraria, serraria, alfaiataria, moinho e ervateira, foram cessando suas atividades.
A  Comunidade Católica Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está comemorando 89 anos de fundação e comemora esta data com os festejos juntamente com o aniversário do Guarani.
Atualmente a agricultura diversificada é a fonte de geração de renda das famílias, como o cultivo da soja, do trigo, do milho e da produção leiteira. Mesmo assim, continua sendo uma comunidade unida em torno de seus ideais, forte e organizada e com grandes lideranças.


O Guarani: com o objetivo de praticar o futebol, como forma de lazer e competição, um grupo de jovens agricultores, liderados pelo Professor Roberto Lúcio Schneider, em 03 de setembro de 1961, fundaram o Esporte Clube Guarani do Lajeado Pessegueiro – Santa Rosa. Mas, antes disso, já em 1957, surgiram os primeiros chutes na bola, quando aos domingos a tarde os jovens se reunião nos gramados dos potreiros e praticavam este esporte. O primeiro nome atribuído pelo professor foi Flor de Pessegueiro. Logo depois, numa inscrição de torneiro, quando perguntaram o nome do time, Ari Richter gritou Guarani, e assim ficou até hoje fazendo história no futebol regional. O primeiro presidente foi o Senhor Miron Ivoni Knap
Dentre os mais importantes títulos, o Guarani conquistou os seguintes títulos: Tricampeão do Municipal de 1974, 1975 e 2015, categoria de Titulares. Campeão Municipal de Aspirantes 2014. Campeão invicto, em 1992, da Associação de Clubes de Cruzeiro e Santa Rosa. Em 2010, Campeão Municipal da Categoria Veteranos. Em 2011 Campeão Futebol de Areia do Verão Mágico.


Filhos de Pessegueiro: no dia 25 de setembro, na comunidade de Lajeado Pessegueiro será realizado 1º Encontro Filhos de Pessegueiro, evento que vai homenagear os 55 anos do E.C. Guarani e os 89 anos da comunidade de Lajeado Pessegueiro. Durante o dia serão homenageados os atletas do Guarani campeões em 2014 e 2015, bem como, os primeiros moradores da localidade. Confira a programação: 9hrs – Missa. 12hrs – almoço. 14hrs – reunião Dançante. Maiores informações pelo fone (55) 9923-4800.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

FUTEBOL AMADOR

FARROUPILHA FESTEJA  CINQUENTÁRIO


No último final de semana, 18, realizou-se a grande festa do cinquentenário do EC Farroupilha do Lajeado Reginaldo. O mau tempo não foi o suficiente para tirar o brilho e a alegria das mais de 600 pessoas que lá estavam no salão da Sociedade Recreativa XV de Novembro. A programação começou ainda no sábado, 17, com quadrangular da categoria de veteranos. No domingo, 18, as 8h30min. foi celebrada uma Missa de Ação de Graças na capela  local. Mesmo com chuva, as 10 horas foi realizado  o jogo  entre ex-atletas e ex-dirigentes. Já, no salão, com a programação em andamento, as 11 horas houve a apresentação da Banda Marcial da FEMA. Ao meio dia foi serviço almoço, que esteve a contento de todos. As 13h30min. iniciou o protocolo com homenagens a ex-atletas e ex-dirigentes e patrocinadores do Farroupilha. Foi o momento mais emocionante da festa.  Encontro daqueles que no passado deram sua contribuição para que se chegasse a este momento. Foi a oportunidade de rever amigos que a muitos anos não se viam. A tarde foi completada com a  reunião dançante. 
Foi organizado uma mostra de fotografias, jornais e os principais troféus conquistados pelo farrapo, o que despertou atenção dos presentes,  trazendo lembranças e emoções.
Para a comemoração dos 50 anos, o Farroupilha, trocou o alambrado do campo, construiu nova copa e realizou uma série de reformas para melhor atender suas necessidades.
A Direção e Comissão Organizadora  agradece os patrocinadores e as pessoas que compareceram fundamentais para o sucesso da festa.

A Banda Marcial da FEMA fez seu espetáculo.

Mostra de fotografias, documentos, impressos e  troféus mais importantes conquistados pelo Farroupilha.

Grande público prestigiou na festa

HOMENAGENS

A Chico Dias o atleta dos mais de mil jogos

A Mateus Maicá,   ex-atleta e motorista do clube.

A Armin Jahn, no clube desde a sua fundação, como atleta e dirigente.

A primeira Diretoria do Farroupilha - 1966

Aos  ex-presidentes presentes na festa.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS -   O COMEÇO FOI ASSIM.

No inicio da década dos anos 1960, um grupo de jovens do Lajeado Reginaldo composto por Aldino Kuyven, Hilário Schorr, Egon Sulzbach, Nelson Abegg e Ilton Schnepfleiter, entre outros, jogavam futebol nas noites de luar, num campinho localizado no potreiro do senhor Aloisio Schorr. Segundo relatos de Aldino Kuyven e Roque Baumgartner
Em 1965, este mesmo grupo de amigos, ainda sem denominação oficial, decidiu se aventurar e montar uma equipe de futebol de campo. No primeiro jogo, cada atleta usou o seu próprio fardamento, tendo como local a beira da hoje BR 472, num campo arrodeado de mato, que se localizava onde hoje está construído o Posto Coopermil, na saída para Três de Maio, tendo como adversário o Atlético da Olaria Dezordi que tinha sede em Laranjeira.  
Antonio Allebrandh (que atuava de zagueiro ou atacante conforme a necessidade do time), um dos líderes da equipe. Lembra que no dia do primeiro jogo, reuniu o grupo de atletas, e montou um esquema de jogo no papel, desenhando para cada atleta na posição que o mesmo deveria ficar no campo, pois, os mesmos não conheciam esquema de jogo. Conta Roque, que foi o goleiro daquela partida, o time corria para todos os lados, onde a bola ia, os atletas corriam atrás.  Frisa ainda, que alguns jogaram de chuteiras, outros de kichute e uns de pés descalços. Mesmo assim, o resultado compensou com uma vitória pelo placar de 2 a 1, com gols anotados por Antonio Allebrandt e Darci Jurach
Ilton Schnepfleiter se lembra da escalação daquele jogo, que foi escalada com: Roque Baungartner; Aldino Kuyven, Otávio Teixeira, Egon Sulzbach e Egon Kuyven; Guerino Weyler, Nelson Abegg e Darci Jurach; Antonio Alebrandt, Ilton Schnepfleiter e Hilario Schorr.

No primeiro jogo, alguns atletas atuaram assim, com os pés descalços.

Antônio lembra que a primeira bola comprada, foi a menor que a oficial (nº 5), pois os atletas não sabiam jogar, e com utilizassem a bola oficial, que era maior e pesada temia-se que os atletas não teriam força para bater na mesma. E o segundo jogo teve como adversário o Cacique de São Paulo das Tunas, em São Paulo Tunas.

Relata Ilton, que como Diretor Esportivo, possuidor de uma lambretta, reservava as quartas-feiras, acompanhado de outro dirigente do clube, para visitar as comunidades de municípios da região que possuíam times de futebol, para tratarem e ajustarem jogos amistosos com retribuição da visita. Relatando que era realizado um jogo em cada campo, esse era o trato, levando em consideração o calendário de jogos de cada time, frisando ainda, que sua viajem mais longa para marcar uma partida foi em Independência.


Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS - A FUNDAÇÃO

Houve uma evolução no futebol do grupo, e no mês de setembro de 1966 fundou-se oficialmente o Esporte Clube Farroupilha. O nome em homenagem a Revolução, já que o dia da fundação era 20 de setembro de 1966. Carlos Kuyven cedeu espaço no seu potreiro para o novo campo. O grupo de forma solidária, derrubou arvores, limpou o local, marcou o campo, construiu copa e banheiros.  Iniciando os jogos do Farrapo em sua sede.


Carlos Kuyven era proprietário de um caminhão (Chevrolet Gigante ano 1946), como era apaixonado pelo esporte realizava o transporte do pessoal até os campos dos jogos. Aldino, por algum tempo, aos domingos pela manhã, pegava o Chevrolet 1946 de seu pai e buscava os atletas em Cruzeiro e os levava para casa após o jogo. De vez em quando lembra que seu pai oferecia almoço aos atletas, tendo como prato principal carne de cabrito, de sua própria criação. José Kubitz, dono de serraria e proprietário de caminhão, também fazia o transporte da delegação farrapa a partir da década de 70.


O primeiro fardamento foi costurado por Elma Allebrandt, mãe de Antônio. Segundo ele, eram dois fardamentos em azul e branco, que foram as cores originais do Farroupilha. Um predominando o azul e outro o branco.
Dentre tantas as histórias vividas, Aldino e Roque contam que, próximo da sede do campo havia um potreiro e lá existia um pomar de bergamoteiras. Quando a equipe visitante chegava, logo avistavam aquela frondosa frutífera e para lá se dirigiam para apanhar as frutas. Ao passarem a cerca para apanha-las, se deparavam com uma surpresa, ou melhor, um bode ciumento que não deixava os visitantes apanhar as bergamotas e os colocava a correr, as pessoas passavam por baixo da cerca e achavam que estavam seguras, mas o bode no embalo pulava a cerca e os tocava até a condução, após retornava para seu cercado, situação está que gerava risos de quem visualizava a cena
Outra história pitoresca é que num dos jogos no Rincão dos Vitor em Giruá, o atleta Rui, que era goleiro, tinha uma camisa da “volta mundo”, moda da época. Enquanto a partida rolava, a sua roupa ficou ao lado do campo e quando se deram por conta, havia uma vaca mastigando a sua camisa, ao retira-lá da boca da vaca, além de babada, mastigada, a camisa ficou com apenas uma das mangas.

Para finalizar tantas lembranças a dupla de zaga Aldino e Roque contam da invencibilidade do Farroupilha que durou mais de 42 jogos seguidos, ocorrido nos anos 1968 e 1969.


Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS - NOVO CAMPO



Roque Baungartner e Adini Kuyven, 
onde se localizava o primeiro campo,
 hoje lavoura de trigo. Ambos fizeram 
partes das primeiras formações do Farroupilha.

Um novo campo é planejado ao lado do existente em terras do próprio Carlos Kuyven. Máquinas da Prefeitura trabalharam para nivelar o terreno, pois o mesmo possui declive acentuado. Com a troca do Governo Municipal, o projeto do novo campo, não encontrou respaldo do poder publico e não foi concluído. Por volta de 1971/72, com a chegada da Operação Tatu, ou simplesmente o início da mecanização agrícola, a família Kuyven, transformou o potreiro em lavoura. E, então a família Reckziegel, cedeu um espaço em sua propriedade no gramado do seu potreiro para a nova sede dos jogos, e assim, dar continuidade a equipe. Avenir Reckziegel, que atuou por muitos anos no Farroupilha, revela que o futebol, na sua época, era um passatempo. Era o momento da juventude de se reunir aos domingos. Disse que as pessoas trabalhavam nas lidas agrícolas durante a semana, pensando no encontro de domingo em torno do campo de futebol. Então, ali se reunia a comunidade, atleta, dirigente e torcida para vivenciar aquele mágico momento. Era a forma das pessoas na comunidade interagir, de forma sadia.

Havia a ala feminina, uniformizada, com as soberanas, rainhas e princesas. Ao lado do campo de futebol, tinha um campo de vôlei, que atraia as moças para a prática deste esporte. Elas também seguiam o Farroupilha em excursões para outras localidades e municípios. 

Ala Feminina do Farroupilha, com as Soberanas.


Avenir lembra ainda, que quando fundaram o Farroupilha ele era um garoto de 14 anos e o clube mantinha somente as categorias A e B, não oportunizando espaço para a gurizada atuar no mirim.

Equipe de Aspirantes em 1974, no campo da família Reckziegel

Futebol Amador

Farroupilha 50 anos - A SEDE DEFINITIVA

Por volta de 1977, um grupo de pessoas ligado ao clube conseguiu uma nova sede. Agora ao lado da capela, em terreno a Escola Municipal Joaquim Nabuco, cedido pelo município e que permanece até hoje.  Para o novo campo houve necessidade da mudança de parte da rede elétrica, principalmente a troca de poste, que passou para o outro lado da estrada. O terreno era muito irregular e havia necessidade de terraplanagem que foi executada por máquinas da Prefeitura. Por muitos anos se jogou no chão vermelho até que com o passar dos anos a grama foi tomando conta do mesmo. Hoje é um belo gramado para a pratica do futebol. Atualmente o EC Farroupilha atua com as seguintes divisões: equipe principal, aspirantes e veteranos.

 Clube, atleta e dirigente: a história que se confunde.

O atual presidente é o Professor e Advogado Armin Jahn, que está no clube, praticamente desde sua fundação. Conta que iniciou a jogar no Farroupilha em novembro de 1966, por convite de Antônio Allebrandt, atuando como goleiro nos titulares e de centroavante nos aspirantes. Relembrando que sua primeira partida frente ao Farroupilha foi contra a equipe de Lajeado Figueira.
Armin afirma que o campo onde atualmente é localizada a sede oficial do farroupilha, não possuía grama no início das atividades e o terreno era irregular. Até que a grama tomar conta do gramado, os jogo eram realizados no terão, uma poeira fina se levantava a cada lance, coitada da lavadeiras que tinham que lavar os calções e meias brancas do clube. Manto este que foi vestido por atletas renomados como Cláudio Taffarel, Danilo Kruguer, Felipe Athirson, Zezão entre tantos outros.
Armin uma liderança da equipe, sendo por mais de 20 anos presidente do clube, conta que muitas foram as dificuldades percorridas, mas com a ajuda de todos conseguimos manter o clube vivo e ativo até hoje. Entre as aquisições, as que se destacam foi a Kombi em 2000, um marco histórico na região, a construção dos vestiários, da nova copa e do alambrado novo do clube.
Entre as conquistas, Armin foi campeão pelo farroupilha em 1984, atuando com goleiro reserva. Como presidente do Farrapo foi por diversas vezes Campeão Municipal de categorias de base, em 2011 Campeão Municipal de Aspirantes e no ano de 2012 foi Campeão na categorias de Titulares, conquistando uma vaga para a disputa do Gaúchão de Várzea (competição na qual a equipe conquistou a 5ª colocação geral, e a disputou por 3 anos seguidos).
Um fato pitoresco do título de 2012, foi que além de presidente Armin estava inscrito na equipe, aos 66 anos, e na partida contra o Avaí foi titular, e marcou um gol de fora da área, e ainda deu uma assistência para Freddi marcar. Partida está que terminou com a vitória farrapa por 3 a 1.
Como uma amante do clube atuou até os 68 anos, nas categorias de aspirantes e titulares. Em janeiro de 2015, foi obrigado a parar de jogar para realizar uma cirurgia nos joelhos. Mas como atual presidente Armin pretende enquanto tiver forças, realizar as seguintes metas: aquisição de um trator para corte da grama, novos vestiários e iluminação do campo


Grupo do Farroupilha Campeão Municipal de 2013.



Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS - ATLETA COM MAIS DE MIL JOGOS

Entre a carreira de atleta e dirigente, Chico Dias  tem 41 anos de dedicação ao clube.

Três gerações de atletas, esta é a família Gonçalves Dias do Bairro Cruzeiro. Chico, da segunda geração, iniciou no futebol aos 11 anos. Com 17 atuou no Cruzeiro do Sul do Bairro Cruzeiro, onde foi campeão.  No ano seguinte, em 1975, foi levado pelo seu amigo Tatinha ao Farroupilha, onde lá permanece por 41 anos, como atleta, treinador e dirigente.  Nesse período conta nos dedos os jogos que faltou. Acredita que passam de mil os jogos disputados com a camisa farrapa. Chico Dias é um símbolo de fidelidade desportiva no clube.  É o homem dos mais de mil jogos.  
Os fatos são tantos que marcaram a sua vida. Era tanto o fanatismo pelo esporte, que marcou seu casamento para sexta feira 20 de abril, pois no sábado era feriado, para poder jogar no domingo em Campininha, Tuparendi.  No nascimento de sua filha, outra história marcante, no domingo 19 de setembro 1979, iria acontecer uma partida classificatória contra o Real no estádio municipal,  antes do início do confronto a sua esposa falou que precisaria ir ao hospital, pois estava com sintomas que da criança nascer. Com o coração dividido Chico pediu para sua mulher se acalmar e assegurar até a manhã, e se mandou para o jogo, por coincidência do destino a filha Kátia nasceu no dia seguinte, na segunda feira, 20 de setembro, mesma data do aniversário do farroupilha, conciliando duas paixões em uma só data.
Em uma das únicas partidas que chico não jogou pelo farrapo, foi na localidade de Campo Alegre Porto Mauá, porque seu segundo filho Jéferson nasceu bem num domingo à tarde.
Como atleta foi campeão em 1984 e como treinador campeão com a categoria mirim, disputando o título com o Cruzeiro do Bairro Sulina, no campo do adversário, em 1991.
Chico se emociona ao lembrar de um jogo festivo, quando atuaram juntos ao seu lado, o pai Vily Gonçalves Dias aos 76 anos e seus dois filhos Jéferson e Everton(foto ao lado). No futebol espelhou-se muito no seu pai, pois quando criança o via atuar como volante e dos bons no Juventude de Cruzeiro.  Apesar da idade Wily demonstrou sua técnica com passes precisos durante o primeiro tempo.
Durante 41 anos destinados ao Farroupilha, o título de 1984 retrata a sua entrega pela equipe. Chico relata: “era a última partida da fase classificatória para o triangular final. Ouro Verde e Toda Hora já tinham garantido sua classificação. Nós enfrentávamos o Toda Hora no Lajeado Reginaldo e o Guarani de Pessegueiro que também tinha chances de classificação enfrentava o 1º de Maio do Lajeado Assombrado, em Pessegueiro. Para piorar a situação do Farrapo, os atletas Pretinho, Coutinho e o Naco estavam suspensos. Iniciou a partida em Reginaldo e  Tabordão, do Toda Hora, acertou um canudo abrindo o placar para os visitantes. Jaime Wolkmer empatou. Lembro como se fosse hoje. Nos tentávamos de tudo que é forma marcar mais um gol.  Mas o arqueiro Cláudio Taffarel(aquele mesmo da seleção brasileira) estava operando milagre. E, lá pelos 43 minutos do segundo tempo, vi o Pretinho e o Coutinho chegando no campo e dizendo que a partida em Pessegueiro havia resultado empatado. Com isso, só bastava  vencermos para se classificar para o triangular final. E, aos 44 minutos, Tijolada cruza uma falta e quando fui dominar a bola com o peito, ela expirou e me atirei fazendo um golaço de voleio em Claúdio Taffarel, sacramentando a nossa classificação. Todos me abraçavam, foi a festa. Fui para o primeiro jogo do triangular contra o Ouro Verde, com a bola toda, chegando lá o treinador me deixou no banco, não aceitei a situação, tirei a camiseta, disse nunca mais e fui embora e o farrapo perdeu. Mas a paixão era tanta que voltei, e no jogo seguinte já fui titular, disputando a final com o Toda Hora, que foi vencida por nós por 2 a 1, com gols do meu irmão Renato e Coutinho, nos sagrando campeões”. Relata Chico Dias.



Grupo do Farroupilha campeão em 1984. Chico Dias é o primeiro, agachado à esquerda.

Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS
MATEUS MAICÁ: O PEQUENO GIGANTE

O incrível zagueiro de 1,54m de altura que marcou época no Farroupilha

Para os padrões atuais do futebol, não seria nada convencional. Mas, José Mateus Maicá, desafiou os mais céticos no futebol. Dividindo seu tempo, entre a família, o trabalho e o Farroupilha, este pequeno gigante é o símbolo da garra farrapa. Foi atleta, treinador, dirigente e motorista.  Com seus 1,54 metros de altura, atuou como zagueiro, formando a lendária dupla de zaga Mateusinho e Jorjão.
Mateus, dono de uma Kombi azul fazia o transporte dos atletas, e no ano 2000 o Farroupilha adquire uma para o clube.  Como Mateus já tinha a experiência foi convidado a assumir a Kombi nas viagens. Então, se inicia um novo capítulo na história farrapa.  Momentos de perigo nas estradas foram enfrentados, mas também com muito humorismo e muitos fatos para serem contados. Para diminuir custos, Matheus lembra que sempre havia excesso de lotação, geralmente 18 a 20 pessoas, e num certo dia a kombi chegou a transportar 26 pessoas numa só viagem.



A Kombi tinha um serio problema, geralmente faltava freio. Alguns incidentes de percurso aconteceram, mas felizmente nada de grave a não serem avarias no veiculo.  Hoje, em rodas de amigos, as aventuras são contadas, os tais acontecimentos, alguns pitorescos, mas que no final acabam em risadas sem fim.
Entre tantas histórias, Mateus lembra, em meio a risos, os acontecimentos. Conta que  conduzia a Kombi lotada, para um amistoso em Campininha, município de Tuparendi. Lá, pelas tantas, um carro estava transitando a sua frente, e ao se aproximar percebeu que no interior do veículo havia um casal namorando, com o automóvel em movimento. Repentinamente o motorista fez uma manobra brusca para entrar num acesso. Mateus pisou com tudo no freio  afim de evitar a colisão, faltou freio. Mateus jogou a Kombi no acostamento, indo ao mato e voltou para a rodovia.  Quando se pensava que o pior havia passado, deram-se conta que uma das rodas, dianteira, estava ausente. A mesma  saíra rodando pela estrada. Precisando continuar a viagem, pois o compromisso deveria ser atendido, Mateus usou de martelo e  prego, recolocou a roda e no lugar do pino do eixo e  foram para o jogo.
Outro acidente que marcou história foi nas proximidades de Km3, quando  se deslocavam para mais um compromisso.  Um automóvel abriu para acessar para a esquerda, mas inverteu para a direita, fazendo com que os dois veículos se colidissem. Naquele momento, Mateus desceu e avisou para  os ocupantes deixarem o veículo e ir para frente da igreja próxima, pois a lotação máxima era 8 pessoas e eles estavam entre 18. O senhor do automóvel começou a trancar o pé e dizer que a Kombi estava errada. Para blefar Mateus pegou um maço de papéis e disse aqui estão os documentos da Kombi, em dia, mas sem os mostrar, pois os documentos na verdade estavam todos vencidos. Então, disse o seguinte: se você quiser, pode chamar a polícia. O senhor toma  o telefone e liga para a polícia e diz a seguinte frase: aqui é o Sargento de Tal. Mateus suava frio e pediu calma. Num instante, ofereceu que cada um consertava o seu veículo, já que ele queria ir passear e a delegação do farrapo ir para o jogo.  O senhor concordando com a proposta, retornou a ligação aos policiais, cancelando o chamado e ambos se acertaram e rumou cada um para o seu lado.

Mas o que mais marcou sua vida é contada pelas suas próprias palavras: “Eu tinha a minha Kombi azul e o Farroupilha a sua, quando uma estragava,  usava a outra.  Naquele dia eu fui com a minha Kombi, e após a partida em casa, saímos de Reginaldo rumo a Cruzeiro e na frente estavam sentados eu, a Keli minha filha e o Armin. Chegando na descida do Balneário Bellas Águas, comecei a freiar a Kombi, como o freio não pegava direito, fiquei de pé, me afirmei no volante e pisei com tudo, foi ai que arranquei o volante da Kombi e ela se desgovernou, bateu no barranco e capotou três vezes, ficando de perna pro ar. Todo mundo ficou apavorado, saímos da Kombi, ai pensei, fazer o que, analisei a situação, pedi pros guri a desvirar, recoloquei o volante e se bandeamos de volta para casa”. Conta Mateus.

Foto do Farroupilha: Maicá é o último, em pé, à esquerda.

sábado, 10 de setembro de 2016

Futebol Amador

50 ANOS DO FARROUPILHA:  O zagueiro goleador

Nascido na comunidade do Lajeado Reginaldo, Eloir Pretto ou simplesmente Pretto, assim como é conhecido, estampa a alma do Farroupilha. Pois, começou desde menino a frequentar os campos de futebol, ainda no extinto Internacional do Lajeado Capim.  Mas foi no Farroupilha que desenhou sua história no futebol, contando com emoção os momentos e acontecimentos vividos no meio do futebol. 
Preto lembra como se fosse hoje os dias de jogos, quando aos domingos na comunidade, reuniam se atletas e torcedores em torno do campo para assistir ou jogar as partidas pelo Farrapo em Reginaldo, ou quando embarcavam em algum meio de transporte para jogar como visitante em outro local. Naquela época os atletas eram compromissados com suas agremiações, pois haviam um compromisso assinado em documento com o clube para atuar pela equipe, e no caso de expulsão, o atleta não participava do jogo seguinte, mas havia a obrigatoriedade de assisti-lo, como pena, além de pagar uma pequena multa pecuniária.
Para Pretto a seleção do rubro-negro de todos os tempos era composta por: Claudio Taffarel; Naco, Pretto, Claudio Marostega e Paulo Juba; Telmo Rigo, Nanico e Chico Dias; Danilo Teichmann, Adair Scherer e Chico Timm. Diz ainda, que havia um entrosamento perfeito entre ele, Marostega e Rigo.
Em meio a tantas lembranças, um desafio proposto com seu parceiro de time Chico Dias marcou sua trajetória pelo farrapo, no qual constava qual dos dois marcasse mais gol durante o ano ganhava uma caixa de cerveja do outro. Chico meio campista chegou a marca de 48 gols, mas o zagueiro Preto que tinha a bola parada como especialidade assinalou 49 vezes o gol e venceu a disputa.
O maior feito na vida de Pretto enquanto atleta foi o título conquistado em 1984, em cima de seu rival o Expresso Toda Hora. Ano no qual o Farroupilha montou um grande time, trazendo um goleiro de Catuípe e alguns atletas do Oriental de Três de Maio. Entre os grandes jogos da sua vida, Pretto destaca os confrontos contra as equipes do Cruzeiro de Campinas das Missões, o Real Madri e o Ferroviário.

Pretto conta de uma passagem do goleiro Claudio Taffarel, que sempre queria jogar de centroavante, mas Prettão (irmão de Pretto) era o treinador, e como um técnico irredutível sempre passava a camisa de goleiro para Taffarel. Pois é, quem sabe essa insistência em colocar Taffarel no gol o fez se tornar um dos maiores goleiros do mundo.


Fevereiro de 1979. Preto é o primeiro em pé da esquerda para a direita. 
Nota-se que o campo ainda era chão vermelho, não havia gramado.


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Futebol Amador

E. C. FARROUPILHA 
 LAJEADO REGINALDO


Com o objetivo de praticar o futebol como meio de recreação, lazer e convivência coletiva, em 20 de setembro de 1966, um grupo de pessoas, reunidas na comunidade do Lajeado Reginaldo, em Santa Rosa-RS., funda o Esporte Clube Farroupilha.
Como a fundação ocorreu na data comemorativa ao maior feito histórico gaúcho, a Revolução Farroupilha, o nome , é claro, e não poderia ser outro, homenagear o marco histórico.
A primeira diretoria foi composto por Egon Aloísio Sulzbach - Presidente fundador; Tesoureiro, Aldino Kuyven; Secretário, Hilário Miguel Schorr. O primeiro técnico foi Irineu Allebrandt.
Os primeiros jogos, até 1970, foram disputados num campo de propriedade de Carlos Guilherme Kuyven, que também buscava com sua camioneta os atletas no Bairro Cruzeiro.
A partir desta data, até 1977, as partidas eram jogadas no campo de propriedade de Albino Reckziegel. A partir de então, os jogos foram transferidos para o novo campo, situado ao lado da comunidade católica, onde permanece até hoje.
O primeiro uniforme foi costurado pela mãe do atleta Milton Allebrandt. A camisa era da cor azul com gola e punho branco e o calção da cor preta. O primeiro jogo foi disputado num campo localizado na localidade de Laranjeira, próxima ao bairro Cruzeiro, saída para Três de Maio.




A maior rivalidade nos anos 60 a 80, era os clássicos arduamente disputados contra as equipes do ExpressoToda Hora e o Cruzeiro do Sul, ambos do Bairro Cruzeiro.
Segundo o presidente, o Professor Armin Jahn, o clube se orgulha muito de dois atletas (goleiros) que vestiram o uniforme rubro-negro: em 1984, Claudio André Taffarel, tetracampeão mundial de futebol pela seleção brasileira, começou fazendo suas primeiras defesas no gol do EC Farroupilha; o outro é Danilo Krüger (anos 90), este da seleção brasileira de futsal. Ainda relata Armin, que Danilo, deixava sua residência na Avenida Inhacorá, e pedalando sua bicicleta, atravessava a cidade, percorrendo um trajeto só de ida de 10 quilômetros, só para jogar no Farroupilha, sem nada receber.
Além deles, outros atletas de Três de Maio e Catuípe, vestiram a camiseta do Farroupilha.


Desde a sua fundação, o EC Farroupilha nunca interrompeu suas atividades sociais e esportivas. Participou de todos os campeonatos municipais, sempre com brilhante destaque.
Mesmo com o êxodo rural, com a população diminuída, onde as famílias, em busca de melhores condições de vida, deixaram a comunidade e se transferiam para os centros urbanos e até outros estados, o clube sempre se manteve vivo, disputando campeonatos nas categorias, mirins, aspirantes, titulares e veteranos, com várias conquistas.
As duas maiores conquistas do clube foram os títulos do Campeonato da Liga de Cruzeiro em 1984 e do Campeonato Municipal de 2012. Em 1995, 1998 e 2010, se sagrou Campeão Municipal Categoria Mirim e em 1994  e 2011, Campeão Municipal de Aspirantes. O titulo que falta é o de Campeão Municipal de Veteranos.
O EC Farroupilha possui uma boa estrutura para a prática do futebol em sua sede, com um belo gramado, vestiários, sanitários e copa.
No ano 2000, o clube adquiriu uma Kombi, inscrito nas laterais, o nome do EC Farroupilha, que transportava os atletas para os jogos, fazendo sua história. Hoje está em descanso.
O Presidente de Honra é o Senhor Adolar Nicolau Abbeg. O Professor Armin Jahn, que foi goleiro em 1966, logo após a fundação, é o atual e abnegado presidente. Junto a ele, somam-se outros desportistas, amantes do futebol e que mantém vivo o Farroupilha.
No dia 17 e 18 de setembro de 2016, o EC Farroupilha estará fazendo uma grande festa na sua sede no Lajeado Reginaldo, com várias programações encerrando no domingo com um almoço comemorativo e homenagens. 

Equipe campeã em 1984

Equipe campeã Categoria Mirim 2011

Campeã Categoria Principal 2012


Em trabalho conjunto com o Editor de Esportes Fernando Kronbauer, do Jornal Gazeta Regional,   estaremos publicando várias matérias sobre os 50 anos do Farroupilha, 

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Por Onde Anda

OQUELESIO DOS SANTOS GALVÃO

Nome, local de nascimento, filiação.
OQUELESIO DOS SANTOS GALVÃO, sou natural de Lagoa Vermelha, RS, filho de Ernesto Galvão e de Silvina dos Santos Galvão.
Apelido (se for o caso) – não tenho apelido.
Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc.
Sou casado com LUZIA GERALDO GALVÃO – temos um filho de nome MAURO GERALDO GALVÃO e um neto de nome DIOGO OLLE GALVÃO.
Grau de escolaridade – Ensino primário.
Como foi a infância (descrever, onde, quando). – foi boa a minha infância.
Vida esportiva (onde iniciou – atuou em que clubes ) – o que recorda desta fase.
Iniciei jogando futebol de campo no Clube União Independente, depois no Clube Tristezense F. C., ambos de Porto Alegre, RS; em 1964 joguei pelo Paladino F. C. da cidade de Santa Rosa, RS, levado pelo Sr. Ernani Kotlinski, a mando do  então presidente daquele clube de nome Dr. Monte Alvar, tendo ajudado na conquista do título citadino daquela cidade do ano de 1964, lembro haver jogado ao lado de Canjica, Chico Cappellari, Lotario Dreher (Patrola), Mineirinho, Mulita; o técnico era o famoso Artur Silva Ribas ( Caiera).

Tristezense FC de Porto Alegre, Oquelesio é o meia esquerda.

União Independente FC de Porto Alegre, Oquelesio é o quinto, em pé, da esquerda para a direita.

Estádio Carlos Denardin - 1965 - Paladino F. C. x Grêmio Portoalegrense. Em pé - da esquerda p/direita: Chico Cappellari, Cléo Souza, ?, Alberto Silveira, Luiz Fortes (Gordo), Paulo Souza, ?, Osmarino, Burrinho, Volmir, Varguinha, ?, Sergio Lopes, Oscar Warth, Airton Ferreira da Silva, ?, Altemir, Canjica, ?.Agachados: Thomas(Pelezinho), Lotario Dreher, Oquelésio dos Santos Galvão, ?, Ivanir Taffarel, Joãozinho, Pinheiro, Alcindo, Pedro Dias (Mulita), Mineirinho, ?, ?.

Clube(s) pelo qual torce -  torço pelo Grêmio Foot Ball Portoalegrense e pelo S.C. Internacional - tal ineditismo  em razão do meu filho MAURO GALVÃO ter sido atleta em ambos os clubes. 
Mantém atividade relacionada com o esporte? Sim, administro o Ginásio de Esportes denominado GALVAO ESPORTE – situado na Av. Ipiranga, n.ºs 543 e 549, em Porto Alegre, RS, telefone 51 3233 3007
Já foi treinador, dirigente ou algo similar? Não.
O que faz atualmente? Aposentado.


           
Colaboração de Raul Meneguini
e Paulo Heitor Fernandes - PHF

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Histórias e Memórias

DUQUE DE CAXIAS

O 1º Regimento de Cavalaria Transportado, atual 19º R.C.Mec, foi instalado em Santa Rosa, por ocasião da 2ª Guerra Mundial. Como não houvesse prédio para ele destinado, suas tropas foram divididas, ocupando instalações do CIRCULO OPERÁRIO, CLUBE CONCÓRDIA e CLUBE CULTURAL. A tropa profissional veio de várias Unidades de cidades vizinhas, como Santo Ângelo e São Luiz Gonzaga. Os militares especialistas do Brasil todo.
Qual o aglomerado de brasileiros que não sai, logo, batendo uma bolinha. Aqui não foi diferente. Mas houve um “porém”. Tendo em vista que os santa-rosenses eram em sua maioria nascidos ou descendentes de alemães e italianos, os militares não podiam me misturar. Isto é fazer parte do mesmo grupo. O Clube em evidência por esta época era o Paladino. Os militares fundaram um clube de futebol ao qual deram o nome de DUQUE DE CAXIAS, patrono da força e as cores escolhidas foram o vermelho e o preto, em listras horizontais, talvez, por sugestão do Major Waldir de Ávila e de cariocas que aqui chegaram. As partidas eram com o Paladino e excursionava muito para a Argentina. O time do qual trago memória era assim constituído: Dari, Bertuol e Dino. Berbigier, Waldir e Dari. Celso, Madureira, Wilson Codinotti, Edmar Lima e Cabreira.
Wilson Codinotti, ainda jovem, jogou no Paladino, quando o técnico era Orestes Andretta. Aos 16 anos, como voluntário, incorporou ao Exército. Quando incorporado foi emitida uma portaria pelo Ministro da Guerra proibindo a participação de militares em clubes civis, que vigorou de março de 45 até abril/maio de 49.
Durante 4 anos não pode praticamente praticar o futebol e acabou “perdendo” o ritmo.
Jogou no Duque de Caxias, no Ipiranga e no Paladino, onde foi inclusive treinador.
No Duque excursionavam à Argentina, principalmente a Oberá no dia  9 de Julho data da Independência daquele país.
Recorda que numa dessas viagens jogou de centroavante e pela ponta esquerda o Subtenente Edmar Lima. Dari Sim era o goleiro. Na equipe local atuou um centro médio que era reserva da seleção argentina. No final do jogo, Wilson fez um lançamento para o ponteiro esquerdo Lima. Este chutou forte marcando o gol. As redes eram de arame. Pela violência do chute a bola voltou até a área. Receberam medalhas e recebeu Wilson, o reconhecimento de “condutiere”.
Lembra que seu técnico, Sargento Schulz, no Duque de Caxias, de quando em quando bradava:
- Ave Zacharias....
Colaboração de João Jayme Araujo


sábado, 6 de agosto de 2016

Por Onde Anda

OSVALDO ANTÔNIO BÁRBARO

Nome, local de nascimento, filiação:
OSVALDO ANTÔNIO BÁRBARO, nasci em 11/02/1948 na cidade de Porto Lucena, RS, sou filho de Abrelino Ricardo Bárbaro e de Clara Tereza Bárbaro.

Apelido (se for o caso): não tenho apelido.

Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc.: um filho e duas netas.

Grau de escolaridade: Sou Bacharel em Ciências Contábeis.

Como foi a infância (descrever, onde, quando). O que lembra com saudade:
Foi ótima. Jogando futebol, pescando, caçando, cavalgando e executando trabalhos caseiros, além de estudar, tudo acontecido no município de Porto Lucena, RS.


Vida esportiva, onde iniciou em que clubes jogou o que recorda desta fase:
Iniciei jogando no Uruguai F. C. de Porto Lucena-RS, depois pelo Paladino F. C. de Santa Rosa, RS, E. C. Aliança de Santa Rosa, RS, Riograndense F. C. de Santa Maria, RS, e no E. C. Internacional de Santa Maria-RS.


Clube(s) pelo qual torce:  em Porto Alegre pelo Grêmio Foot Ball Porto-alegrense, em Santa Maria torço pelo E. C. Internacional  e em Santa Rosa pelo Paladino F. C.  
Atividade atual: Atuo como Contador e empresário no ramo de Transporte de Cargas.

Mantém atividade relacionada com o esporte? Não.

Já foi treinador, dirigente ou algo similar? Somente no Futebol amador.

O que faz atualmente? Trabalho em meu escritório de Contabilidade e administro empresa que opera no ramo de Transporte de Cargas.




Osvaldo vestindo o uniforme do Inter/SM


Uruguai F.C.  de Porto Lucena RS- x Olímpia de Oberá em 06/08/1965 Campo do Uruguai - placar  2x1 para o Uruguai. Osvaldo é o quinto da direita para a esquerda.

Colaboração de Raul Meneguini

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Por Onde Anda

MIGUEL DE QUADROS PAZ

Nome, local de nascimento, filiação. : MIGUEL DE QUADROS PAZ, natural de Santa Rosa, RS, filho de Fermino Rodrigues Paz e de Maria de Quadros
Apelido – Miguelzinho
Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc.
Casado com Henriqueta Casagrande Paz (falecida), filhos: Altemir de Quadros Paz e Ademir Quadros Paz; neto Wellington  Casagrande Paz.
Grau de escolaridade – Ensino primário.
Como foi a infância (descrever, onde, quando). O que lembra com saudade.
Jogando futebol no campinho da Estação Rodoviária e da Vila Americana,  estudei na Escola Visconde de Cairú, na cidade de Santa Rosa, RS.
Vida esportiva (onde iniciou,  em que clubes jogou – o que recorda desta fase.
Iniciei jogando em Santa Rosa, RS, no Paladino F. C. - como ponteiro esquerdo ofensivo - na época dos presidentes Dr. Monte Alvar Aurelio Rodrigues, Dr. Luiz Lopes Burmeister e Dr. Paulo Laércio Soares Madeira (1967 até 1972), tendo como treinador o Sr. Artur Silva Ribas (Caiera); no Paladino F. C. fui Bi-campeão citadino (1971/1972), lembro-me de um jogo contra o Rolinho do E.C. Internacional de Porto Alegre, treinado na ocasião pelo Sr. Ernesto Guedes, em jogo amistoso onde fiz o gol do Paladino, vencido pelo Inter por 3x1;


Posteriormente, joguei no Tamoio F.C. e Elite Clube Desportivo, ambos da cidade de Santo Ângelo, RS (1973/1978); em 1974 fui campeão citadino pelo Elite Clube Desportivo, lembro-me do jogo decisivo, realizado em campo neutro, contra o Tamoio F. C., vencido pelo Elite pelo escore de 1x0, tendo marcado o gol da vitória.


Legenda da foto acima:
Estádio do Elite Clube Desportivo – Santo Angelo, RS Equipe campeã citadina de 1976
Em pé: Alberi, Polaco, Tomé, Mariano (jogou no Cruzeiro de Belo Horizonte MG), Mauro, Carlos Alberto (goleiro).
Agachados: Capitão, Edorildo, Volnei, Luizinho e Miguel de Quadros Paz

Posteriormente passei a jogar também, pela ordem no  Cruzeiro de São Borja, RS, (1979/1980); Tupi F. C. de Crissiumal , RS, (1981); Cascavel, PR; Guarani F.C. de São Miguel do Oeste, SC (1982/1983);  encerrando a minha carreira no Paissandu, da cidade de Brusque (SC).
Na foto Miguelzinho é o último à esquerda.

Em Novembro de 2013 participei, como homenageado pela Secretaria de Esportes e Turismo do Município de Santa Rosa, RS, em evento denominado Noite da História e Memória do Futebol de Santa Rosa, RS, na condição de ex-atleta do Paladino F.C. – cfe. Foto abaixo, onde aparecem: Wilson Codinotti, Sergio Rodrigues, Charles Joner, Anacleto Giovelli, Irineu Donini, João Adão Mousquer Marques (de apelido Perigoso),  Dr. Paulo Soares Madeira, Mantey (de apelido Polaco), Bartolomeu Neiss (de apelido Pato) e Miguel de Quadros Paz.  (foto acima)

Na foto da esquerda para a direita: Irineu Donini, Paulo Madeira, Miguelzinho e Délcio Steffen.

Em 23 de julho de 2016, por ocasião das festividades pelo transcurso dos 70 anos de fundação do Paladino F. C. de Santa Rosa, RS, fui homenageado pela sua direção em evento realizado em sua sede social, tendo na ocasião recebido a medalha  Comenda de Mérito Desportivo.(foto acima)


Clube(s) pelo qual torce.   Internacional de Porto Alegre, RS
 Atividade atual – aposentado pelo INSS.
 Mantém atividade relacionada com o esporte? Não
 Já foi treinador, dirigente ou algo similar? Não

 O que faz atualmente? Aposentado, resido na cidade Apiúna, SC, há 35 anos.  Fone (47) 9233 2506 ou (55) 9693 8224


Colaboração de Raul Meneguini