domingo, 6 de novembro de 2016

Homenagem

Santa Rosa perde um grande desportista. Foi sepultado na tarde de hoje, 06 de novembro, no Cemitério Municipal, o corpo do empresário dos transportes Airton Bruno Friedrich. Filho de família ligada ao futebol, seu pai o empresário Elíbio e seu irmão Arno foram presidentes do Juventus Atlético Clube. Além do Juventus, Airton também foi um grande torcedor do Dínamo FC, inclusive participando da diretoria daquele clube. Para homenageá-lo, postamos uma matéria sobre a família Friedrich,   publicada em 2011, quando das comemorações dos 60 anos do Juventus AC. que teve a sua importante participação.


Os Fredrich


Vindos de Ibirubá, os Fredrich radicaram-se em Santa Rosa, no ramo de comércio e transportes.
A história dos Fredrich se confunde com ahistória do Juventus. Além do patriarca Elíbio(foto à esquerda),que presidiu de 1954 a 1958, seu filho mais novo, Arno, também foi presidente do clube, nas gestões de 1972 a 1973. O outro filho, Airton, no qual, nos deu o prazer de contarmos com seus relatos para esta matéria, é um torcedor juventino desde pequenino, e até hoje não perde jogos no Estádio Carlos Denardin. Airton tem muito orgulho do passado do seu clube. Guarda nos seus armários materiais esportivos da época, como flâmulas dos clubes com quem o Juventus jogou, inclusive da Argentina. Aliás, o clube santa-rosense mantinha uma política de boa vizinhança com os hermanos, e frequentemente disputava jogos naquele país, com memoráveis jornadas, nas gestões dos Fredrich.
“E era novo, mas guardo na lembrança as dificuldades de transpor o rio Uruguai. Porto Mauá não tinha passagem de rio. Então, deslocava-se de ônibus até a margem em Porto Xavier, e de barca se fazia a
travessia para jogar em Alba Posse, Missiones, Argentina”.Airton lembra do episódio em que o ônibus afundou com a barca. Precisou do guincho do Exército de Santa Rosa para retirá-lo do rio. O ônibus, um F-600, ano 1956, da Empresa Porto Lucena, ficou muito avariado. Então, como o pai era diretor proprietário de uma agencia de veículos, ajudou nos custos da reforma o ônibus. Os mecânicos abriram o motor, a caixa, o diferencial. As laterais que eram de eucatex    tiveram que ser substituídas, assim como o foro dos bancos.
Ainda relata: “Para jogar na Argentina, viajavam nas primeiras horas do sábado, pernoitavam por lá, jogavam no domingo pela manhã, para poder retornar no domingo a tarde, pois, segunda feira era trabalho.”
E, continua: “Como diretor da empresa (mesmo com a discordância do sócio), seu Elíbio contratava funcionários que, além das atividades, jogasse bem o futebol e serem, então, atletas de seu clube – o Juventus. Ao final do expediente do dia, trinava seu apito, e este era o sinal para reunião do grupo, e então, os súditos se dirigiam até um veículo que superlotado, eram deslocados para o treino diário, na Baixada do Pessegueiro.”
Airton lamenta a perda de uma bandeira, que a considerava histórica, por ser da época do pai, quando presidia o clube. Tinha afeto a ela, e que até pouco tempo era hasteada no alambrado do estádio em dia de jogos, e que não a viu mais e nem soube de seu paradeiro. Mostrou-nos, também, um livro do controle das contas – receitas e despesas – e relação de sócios, da década de 50. Como bom administrador que era seu Elíbio, anotava até os centavos e tinha o controle das finanças do clube.
Com a presidência de Elibio Fredrich de 1954 a 1958, o Juventus se profissionalizou. Os objetivos daquela gestão eram de que fosse um clube respeitado na região. Disputava clássicos citadinos como com o Aliança e o Paladino, o Sepé Tiarajú e o Juventude de Cruzeiro, e clássicos regionais como Oriental de Três de Maio, Riograndense de São José do Inhacorá, Botafogo de Santo Cristo, Aimoré de Giruá e Gaúcho de Tucunduva.
Possuía um quadro social não numeroso, mas forte, que mensalmente colaboravam, deixando sua cota ao clube. Com isso, conseguia subsidiar despesas de viagem para visitantes jogarem em Santa Rosa, como hospedagem e alimentação a jogadores de outras cidades que vinham para os jogos de fim de semana, material esportivo para os atletas, médico e farmácia, quando necessário, além de ajuda financeira aos atletas. Estes dados, foram recuperados de um livro do presidente da época, com anotações e controle das finanças guardado pela família. (Foto abaixo página de livro caixa controlado por Elíbio no ano de 1954)


Lembra-se da Baixada do Pessegueiro. O isolamento do campo com a torcida era campo não era um para-peito. Nos dias de clássico as bandeiras dos clubes eram hasteadas no pórtico de entrada. Ao descer pela via que dava acesso ao estádio viam-se as bandeiras dos clubes tremulando nos astros do pórtico de entrada.
Conta que quando chovia alagava, pois o campo ficava na margem do rio. Chovia no sábado, já havia impedimento para os jogos do domingo. Além da invasão do rio, descia água das ruas da cidade, acima do campo que se somavam a água do Pessegueiro e formavam um enorme alagamento.
Nos clássicos havia muita rivalidade, principalmente com o Paladino. Lembra também que ficou difícil para os clubes manterem seus jogadores, quando o mercado de jogadores inflacionou. Muitos atletas vinham de outras regiões. Os clubes pagavam salários e prêmios e vieram os encargos sociais. Então, começaram as dificuldades de gerenciamento. O que os obrigou a fecharem as portas para o futebol.
Como empresário Elíbio passava muito tempo em São Paulo. Quando podia, ia ao estádio a fim de assistir jogos do campeonato paulista. Num dos retornos para a cidade, ao se ter a idéia de um novo estádio, colaborou muito com idéias, pois conhecia os estádios paulistas. Sugeriu que o terreno fosse aprofundado em mais dois metros ou então subir com mais alguns degraus para a arquibancada ter maior capacidade de público. Pensava ele, para o futuro de nosso futebol. Mas, o Prefeito José Alfredo Nedel não concordou convicto do que estava sendo feito, erra o correto, pois para Santa Rosa, naquele momento, era o suficiente.




Quanto à gestão do irmão Arno (na foto acima Airton à esquerda, junto com o saudoso irmão Arno), lembra que ele era proprietário de uma Kombi e de um Opala. Com os dois veículos transportava os atletas para os jogos, inclusive para a Argentina. Arno tinha a parceria do Dr. Adil Albrecht, dentista, que colaborava financeiramente e do proprietário da Courolândia, que colaborava com o material esportivo. Nesse período em que Arno presidiu, o Juventus tinha uma forte integração com clubes argentinos, onde as visitas eram periódicas lá e cá, com jogos interessantes.
Estas são algumas das lembranças que ainda permanecem na mente do Airton, que viu o Juventus nascer, renascer e que hoje é o clube que representa nossa cidade no Estado do Rio Grande do Sul, através das competições oficiais que disputa.
Créditos das Fotos: Airton Fredrich

Nenhum comentário:

Postar um comentário