sábado, 14 de julho de 2012

Histórias do Futsal

    JUNIOR'S ATLAS

                                                      João Jayme Araujo
                                                                   jjgaucho23@hotmail.com
                                                       e Aramis Beltrame


O JUNIOR’S ATLAS, foi fundado por Aramis Beltrame (Rato), Newton Cardoso (Beiço) e Luiz Beltrame (Canha).
Instituíu-se um livro de ouro, iniciativa do Aramis e do Alceu Miller na firma Pica-Pau para angariar fundos para os passos iniciais.
Os primeiros atletas que defenderam suas cores:
Newton Cardoso – Beiço – atleta baixinho, mas com boa impulsão para as bolas altas, muito rápido no chão. Tinha alguma dificuldade em lançar a bola. Corajoso.
Luiz Beltrame – Canha - zagueiro marcador implacável,  boa antecipação, compensava a falta de massa corporal por uma técnica apurada, sabia jogar sem cometer faltas e tinha facilidade para sair jogando.
Adão - ROSA – lateral direito. Trabalhava a bola junto à sua lateral e batia a gol quase da linha de fundo. Goleador.
Reinaldo Seger – Neto – dos melhores armadores da região. Apesar da baixa estatura, sabia usar muito bem o corpo. Distribuidor de bola. Clássico. Tido pelos que o viram jogar como o Ademir da Guia.
Aramis Beltrame – Rato – segundo minha prima Norma, sem muita técnica, sarado, muita facilidade de bater na bola. O chute era de perna esquerda, melhor que o Rivelino. Batia nela do jeito que vinha com potência e precisão. Goleador emérito. A perna direita apenas a usava para andar de bicicleta.
Jorge – Pelé – funcionário do DAER, atuava na linha e depois substituiu o Beiço, na posição de goleiro.
Oscar Warth Neto – Nena. Estava apenas começando. Era um menino. Tornou-se dos maiores jogadores de futsal e futebol de Santa Rosa.
Cleóbis José Araujo – Zé - Atuava esporadicamente. Jogador de velocidade, excelente visão de jogo e goleador.
Os jogadores remanescentes foram contratados por Gerson Silveira, para a formação do Brasil.
Fez história na cidade pelo desempenho e conquistas. Aos poucos, tendo em vista que muitos jogadores  se mandaram para outras plagas, foi fenecendo até serem, seus últimos integrantes, contratados por Gerson Silveira para atuarem no Brasil ou no Real Clube Dos Sete. 


   Aramis Beltrame, dono e principal jogador-artilheiro do ATLAS.
  
Atlas em Brasília

Aramis Beltrame, um dos fundadores e jogadores principais do Atlas.
Mesmo ausente da cidade, como ocorreu quando se transferiu para Santo Ângelo, a fim de gerenciar a Pica-Pau, lá organizou uma sucursal do seu clube de origem e do coração.
Jogava partidas lá e aqui com muita alegria e satisfação.
Já casado e com três filhos – Aramis, Noara e Camilo - aos 32 anos mudou-se para Brasília, onde é importante ruralista.
Acompanhava as amizades de seus filhos e daí para fundar um time de guris, foi um abraço.
Selecionou 10 deles e começou a treiná-los duas vezes por semana.
O nome do time? -  quem disser “Atlas” acertou.
Participaram por três anos de campeonatos brasilienses, disputados por  sete cidades satélites e três do plano piloto.
A melhor colocação foi vice-campeã de Brasília.
Quando a meninada partiu para a vida acadêmica, o clube se desfez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário